Sobre o Autor

Minha foto

Sou um homem em constante dualidade. Metade de mim queria ser um astro do Rock. A outra metade um monge budista. O resultado disso foi um blog que mistura John Lennon e Jesus Cristo e um livro chamado Heróis e Anônimos.

Orgulho por ser um NIB

10/06/2015

Quem são as pessoas importantes?


Outro dia fui ao médico e, naquela tradicional sala antes da consulta, peguei-me desprovido de qualquer uma das minhas duas ferramentas essenciais para momentos de espera: a música e a leitura. Com o celular sem bateria e o livro esquecido em casa, não tive outra alternativa que não procurar algo para ler na pilha de assinaturas do médico.



Normalmente me afasto de revistas sensacionalistas ou de fofocas com a mesma rapidez com que os políticos fogem da responsabilidade. Mas naquela ocasião desesperada, tive que dar uma nova chance aos veículos tão desprezados. Apenas uma folheada não faria mal algum, faria?

A chance durou 1,7 segundo.

Isso porque li na capa da Caras - a primeira resvista da pilha de horrores - algo do tipo: VIPs se reunem para o casamento de alguma figurinha famosa das colunas sociais.

Minha mão se retirou da pilha como se ameaçada pela mordida de um bulldogue.

Nada contra o casamento. Nada contra o tal queridinho que teve sua festança divulgada na capa da revista.

O que me deu asco mesmo foi o emprego da palavra "VIPs".

A sigla para "Very Important Person" ("Pessoa Muito Importante", em português) me lembrou com a rapidez de uma bala o por quê eu desprezava tanto tal tipo de revista.

Afinal, quem é VIP? Quem são essas tais Pessoas Muito Importantes a quem a revista se refere logo na capa? Percorri os olhos rapidamente pelos rostos maquiados por baixo de penteados espalhafatosos que sorriam ao redor do noivo e não reconheci ninguém importante.

Não vi ali nenhum dos meus vizinhos de longa data a quem minha mãe ensinou a dar bom dia. Não vi os motoristas dos ônibus que me levam e trazem pro trabalho. Fale a verdade... Se eu não gosto de pegar trânsito, o cara que leva isso como rotina só pra levar um pessoal pro trabalho tem que ser um VIP. Também não vi a cozinheira do restaurante que faz nossa comida dia e noite. Ela também, há de ser VIP, já que nos dá aquele arroz soltinho e o frango grelhado que eu nunca consegui reproduzir em casa. Também não vi meu chefe lá do escritório, aquele que paga nosso salário em dia. Quer alguém mais VIP do que ele? E o lixeiro que recolhe nossa sujeira todo santo dia? Não conheço ninguém capaz de ficar atrás de um caminhão de lixo por mais que 2 minutos. O lixeiro, por outro lado, passa horas. Ele sim é um digno VIP. E o padre da paróquia do bairro que abriu mão de absolutamente todos os Happy Hours do sábado pra acordar cedo no domingo e preparar o sermão? Isso é ser VIP pra caramba! E o professor que ganha uma mixaria pra encarar uma sala de aula as 7h da madrugada? Se não fosse VIP não teria como sobreviver ao primeiro dia. Conheci vários garçons ao longo da vida. Todos eram VIPs, trabalhando sorridentes no meio da noite enquanto todo mundo está se divertindo. E o senhor que me viu olhando um mapa em outra cidade e parou pra me mostrar o caminho, mesmo sem eu sequer perguntar? Nunca soube seu nome, mas tenho certeza que ele é VIP. Eu também devo ser, caso contrário ele não teria parado pra me ajudar, certo?


muitos VIPs por aí...

O padeiro que faz o pão. O frentista que enche o tanque. O fazendeiro que planta o milho. O estoquista que guarda o shampoo. O cientista que prepara a vacina. O juíz que prende o ladrão. O músico que toca na esquina e nos emociona. Todos esses são VIPs. E não vi nenhum deles na capa da revista.

Só vi um grupo de pessoas bem arrumadas, com vestidos finíssimos e de quem o perfume caro eu podia cheirar até pela foto. Presumi que fossem ricos, muito ricos, nascidos em oportunidades raras, quando saturno entra em harmonia com mercúrio e faz chover dinheiro. Vítmas de uma sociedade injusta que faz questão de passar fome diante de seus nobres olhos todos os dias e atrapalhando suas coleções de Yachts e contratos milionários.

Não entendi ao certo poque os editores insistiam em chamá-los de VIPs, se o único mérito deles era o de terem nascido podres de ricos...

Se isso é ser VIP, eu só posso ligar alto um belo Black Sabbath e dar graças aos deuses do Rock por ser um NIB: Ninguém Importante, Brother! ;)

2 comentários:

Ênio Rodrigues disse...

Os vips de capa de revista de hoje são os nibs implorando por publicadade amanhã! Quero ser vip para as pessoas que amo e para as pessoas que precisam de alguma assistência ou carinho.
Isso sim, é ser vip de verdade.!!
Excelente texto amigo!!!

Felipe Perazza disse...

Com certeza, mestre! Obrigado pelo comentário! Abração.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...