Mais um livro do Andarilho

Na calada da noite

17/04/2015

Uma música para te colocar em estado de choque

Você não sabe como é frustrante ter um blog há tanto tempo, ser fã maluco do Whitesnake e descobrir, de repente que você nunca escreveu sobre Still of the Night. Essa é simplesmente uma das melhores músicas da banda de David Coverdale, mas, por algum truque do destino, nunca falei dela. Faz parte do icônico "1987". Segue a letra:




Still Of The Night
(Coverdale)

In the still of the night
I hear the wolf howl, honey
Sniffing around your door
In the still of the night
I feel my heart beating heavy
Telling me I gotta have more

In the shadow of night
I see the full moon rise
Telling me what's in store
My heart start aching
My body start a shaking
And I can't take no more, no, no

Now I just wanna get close to you
An' taste your love so sweet
And I just wanna make love to you
Feel your body heat

In the still of the night
In the still of the night
Over here baby

In the heat of the day
I hang my head down low
And hide my face from the sun
Through the light of the day
Until the evening time
I'm waiting for the night to come

In the still of the night
In the cool moonlight
I feel heart is aching
In the still of the night

Ooh, baby
Ooh, babe
I can't keep away
Can't keep away
Need to be closer

I can't keep away
Can't keep away
Can't keep away
I can't keep away, no

You gotta give me love
Got to give me some loving everyday
Can't keep away

Ooh, baby
Ooh, baby
Ah

Tell me here, baby

In the still of the night
I hear the wolf howl, honey
Sniffing around your door
In the still of the night
I feel my heart beating heavy
Telling me I gotta have more

Now I just wanna get close to you
An' taste your love so sweet
And I just wanna make love to you
Feel your body heat

In the still of the night
Oh, yeah
In the still of the night
I will be sneeking 'round your door
In the still of the night
In the still of the night
Ain't nothing gonna stop me now
Still of the night
Still of the night
Still of the night

Still of the night
Still of the night
Still of the night

Still of the night
Still of the night
Still of the night

Dê o play e comece a viagem:



Vamos à andança...

Tenho uma sina com o Whitesnake. É uma das primeiras bandas de Hard Rock que gostei na vida. Ainda assim, nunca pude ir a um show deles. Não digo que não tive a oportunidade, pois elas aconteceram 2 ou 3 vezes, mas em todas eu tive algum motivo que me impediu de ver uma das figuras que mais admiro na música: David Coverdale. Num desses shows que eu perdi - talvez o primeiro deles - um amigo que teve mais sorte voltou em choque. Na verdade ele nem voltou. Eu o encontrei numa lata de lixo, olhando o vazio e murmurando palavras desconexas. Precisei de alguns dias pra finalmente entender o que ele estava falando. Consegui distinguir que ele, na verdade, repetia as palavras "Still of the Night". Eu perguntava: "como foi o show?" e tudo o que ele dizia era "still of the night". Tomou bastante cerveja? "Still of the night". O estádio estava cheio? "Still of the night". Só depois de uma semana ou duas ele passou a reconhecer sinais e acompanhar o interlocutor com os olhos. Após um mês ele estava são novamente. Para quem já é fã da banda o choque está explicado. Still of the Night é a canção com a qual o Whitesnake usualmente encerra seus shows. E apesar dela ser a abertura do disco "1987", ela parece mesmo ter nascido para encerrar um show grandioso. Ela martela seu refrão com a força da bateria, dura o tempo necessário para uma viagem longa da qual não queremos sair e tem riffs incrivelmente poderosos. É uma canção profunda, sexy e pesada. É como assistir Las Vegas - a Cidade Proibida numa madrugada de domingo para segunda. Não há sobreviventes, não há ninguém são. Tudo se resume aos instintos e aos impulsos da noite, numa terrível caçada humanda. A calada da noite. No refrão, Coverdale diz, rápido, com o poder de sua voz: "Eu só quero estar perto de você, sentir seu gosto doce. Só quero estar perto de você, sentir o calor do seu corpo". IN THE STILL OF THE NIGHT! Como a própria vida unerground da noite, há um trecho de devaneio em que a instrumentação desce quase ao silêncio e o vocalista delira. É o momento do detetive perdido nos becos, sem qualquer pista do assassino e decidindo se há, de fato, qualquer esperança de que pegá-lo vá mudar alguma coisa num mundo já condenado. Logo a canção sobe e o beco escuro dá lugar novamente aos bares, bebidas, luzes coloridas, mulheres perigosas e homens de sangue frio. Como a própria canção sugere, durante suas subidas, descidas e batidas - principalemente as batidas - somos tomados por uma viagem sexual. Não se trata, no entanto do sexo romântico e bonito. Estamos falando aqui do sexo selvagem, deliciosamente agressivo e perigosamente apaixonante. Do tipo que se tem numa noite e quando despertamos não lembramos de tudo, mas ficamos felizes por ainda estarmos vivos. O final da obra, é como o final do próprio show: épico. Se você sobreviver ao choque, assim como aquele meu amigo, então talvez sobreviva à qualquer calada da noite. Eu acredito que estou pronto e agora aguardo uma nova oportunidade do Whitesnake vir para cá, mas nunca se sabe. Talvez a calada da noite seja mais profunda do que parece e eu nunca mais pare de repetir, como um louco, "still of the night, still of the night" ;)

Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...