Viaje neste blog

A(s) Pior(es) Operadora(s) de Celular do Brasil

09/10/2014

Esse texto foi originalmente publicado no meu perfil do Facebook, mas como gostaria que ele ficasse acessível à qualquer um que buscasse informações e reclamações sobre a operadora em questão, resolvi colocá-lo no blog. Se você procura algo de musical aqui, não vai achar nada além das musiquinhas irritantes que colocam no telefone enquanto você espera por horas para ser atendido...

Quando o assunto é telefonia, qualquer um de nós já sabe que a coisa é complicada. Em todas as vezes que perguntei à um amigo se sua operadora de celular é boa, nunca - jamais - escutei uma resposta positiva. Oi? Caríssima. Tim? Sinal horrível. Vivo? Ninguém usa. A operadora pode até mudar, mas as respostas invariavelmente serão as mesmas. No meio de tantas companhias ruins, será que é possível encontrar uma operadora boa? É uma terefa quase impossível. Mas não tanto quanto encontrar a PIOR delas. Na minha humilde opinião - e baseado unicamente na experiência que tive - a pior delas é a CLARO.

O que está oculto no logotipo



Tive um mesmo número de celular há mais de 10 anos. Desde o começo, quando nossos aparelhos eram Siemens ou Motorolas quadrados que não tocavam música, muito menos acessavam internet, minha operadora foi a Claro. Por uns 7 anos utilizei os serviços da companhia da bola vermelha sem muito do que reclamar, mas conformado com um preço razoavelmente alto. O problema apareceu aos poucos. Pouco a pouco - talvez um dia da semana - meu celular foi perdendo o sinal. Nas horas mais importantes, fosse esperando o contato de uma entrevista de emprego ou o convite para um happy hour, a Claro sempre dava mancada comigo. Quando ligava pedindo uma satisfação a resposta era sempre igual: "o sinal está com problemas na sua área". Mesmo achando estranho ser o único sem sinal numa residência em que 4 pessoas utilizavam Claro, eu acreditava.

Até que decidi mudar.

Inspirado pelos comerciais da Oi de que "somos livres para escolher", pensei: por que não mudar? Pedi portabilidade para a Vivo e escolhi um plano mais ou menos no mesmo valor do que eu vinha pagando. Descobri que não era suficiente. Tive que pagar mais caro, mas ao menos o sinal sempre funcionava. Não tive do que reclamar da Vivo por 1 ano. Até que decidi sair do país por alguns tempos.

Na volta, resolvi voltar para a Claro já que todos meus amigos e familiares usam a bendita operadora. Pedi portabilidade novamente na loja da Avenida Paulista solicitando um chip Pré-Pago. Acabaram me empurrando literalmente um plano Pré-Pago Com Recarga Programada, uma espécia de controle com a desculpa de que: "caso o senhor não goste, é só trocar pelo telefone". Como se coisas envolvendo telefone no Brasil fossem rápidas e fáceis.

Idiotamente - e talvez por estar acostumado com um padrão de outro país - dei ouvidos à vendedora e aceitei o plano. Paguei o valor, mas o problema é que não recebi nenhum crédito. Por todo um mês, nada apareceu e fiquei sem poder falar com quem eu queria. A falha, infelizmente, não atingiu o setor financeiro, que no mês seguinte me bombardeou com a segunda conta. Paguei, na tola esperança de receber os créditos de ambos os meses. Nada feito. Recebi - dias depois - apenas os créditos do segundo mês. Mas, como disse a simpática vendedora, tudo poderia ser resolvido amigavelmente por telefone. Resolvi ligar para retomar meus créditos e para colocar meu número em modo Pré-Pago que era como eu queria desde o começo.

"Por favor senhor, aguarde 312 minutos"

Quem disse que me atenderam? Das 10 vezes em que liguei, 7 foram inúteis - com direito à ligações caíndo no meio da conversa com o operador. Um deles até repetia: "Alô, senhor? Não posso ouvi-lo" e então desligava. Um velho truque que só tem graça para quem o pratica e para os colegas operadores.

Nas outras 3 em que tive um pouco mais de sorte, ninguém foi capaz de resolver meus problemas. Coisas simples, tranquilas de serem resolvidas com um pouco de bom senso. 1) Paguei e não recebi. 2) Quero mudar de plano. Fácil, não? É só me devolver o que é meu e mudar meu plano que continuamos amigos.

Nada feito.

Nem mesmo uma ida à loja resolveu. Lá a informação foi a seguinte: "Só ligando pelo telefone para resolver". Qual o sentido de uma loja física que depende de um Call-Center para qualquer função básica, só o capitalismo carnívoro pode explicar: facilidade de entrar. Dificuldade de sair.

Num belo dia foi a Claro quem me ligou. Era o famoso Serviço de Relacionamento ao Cliente. Diziam que queriam compensar minha vontade de migrar para Pré-Pago oferecendo um Desconto Especial de R$10 na mensalidade. Acabei aceitando, meio à contra gosto. Lembrei à boa senhora dos meus créditos há muito perdidos, mas ela também não foi capaz de me ajudar.

Na décima primeira vez que liguei a atendente foi mais corajosa que os outros. Disse que não havia nada à ser feito. Se quisesse meu dinheiro de volta, teria que ir na loja. Ciente de que não sou bolinha de Ping-Pong pra ficar indo da loja pro telefone e deste para a loja como se não tivesse nada mais interessante pra fazer na vida, resolvi ser mais radical: pedi o cancelamento da linha em resposta ao desaforo. Se eu não teria meus créditos, eles não teriam mais nada de mim.

Ledo engano. Aí que veio mais uma bomba.

"Se o senhor quiser cancelar a linha, pagará MULTA DE R$104,00 JÁ QUE ACEITOU O DESCONTO QUE OFERECEMOS".

"Como é que é!?" Perguntei, incrédulo. Não pude acreditar no que ouvia. Eu comprei um chip há dois meses, não recebi metade do que paguei e ainda pago multa por cancelar um serviço que não me atende?

Pois essa é a verdade.

Reputação da Claro no Reclame Aqui

Fui totalmente enganado pela Claro, uma operadora com comerciais tão amigáveis e simpáticos, mas que esconde uma estratégia comercial maldosa e anti-ética. Levaram um mês dos meus créditos e ainda me deram uma multa por reclamar da sacanagem. Fascismo corporativo. Pra ficar claro em números como fui passado pra trás aí vai uma conta simples. Comprei um chip (R$10), paguei dois meses do conta (R$29 cada) e recebi uma multa (R$104). Ou seja, em apenas dois meses, dei de presente para eles R$172 reais e recebi 1 único mês de serviço.

Quando comento com meus amigos sobre o ocorrido e sobre minha vontade de levar a empresa à Justiça eles me olham com o rosto cansado, de quem já brigou demais e não obteve nada e dizem: deixa por isso mesmo, pague a multa e não gaste seu tempo. Infelizmente esse é o nosso perfil. Somos um povo conformado demais. Aceitamos um péssimo serviço, um preço abusivo e um tratamento de lixo. Mas não somos lixo. Somos gente.

Pesquisando no RECLAME AQUI sobre todas as operadoras de São Paulo, descobri que nenhuma delas atende às reclamações dos usuários. Cada uma delas tem mais de 100.000 reclamações pendentes. É um total descaso com o consumidor que é quem banca eles. Descobri que as grandes corporações brasileiras são como os nossos políticos. Nós pagamos eles, porque não temos opção e não recebemos nada em troca. Se reclamamos, eles dão risada. Não temos para quem correr. Como pode sermos vítmas de empresas como a Claro e companhia? Quem ouve nossos lamentos? Apenas nossos amigos do Facebook.

Estamos em boas mãos, viu...

É por isso que escrevo aqui. Porque não há outro canal que eu possa utilizar para expressar minha indignação.

Se a única coisa que posso fazer é escrever, aí vai minha última frase: se você sente um mínimo de valor próprio, comece à reclamar das empresas que abusam do seu dinheiro e da sua paciência. Não seja mais uma vítima, calada e conformada. Fale, coloque na mesa o seu problema, e vamos ver se essas companhias multi-milionárias passarão à nos enxergar mais como humanos e menos como cifras.

Faça como Bob Marley: levante-se, lute por seus direitos!

Atualizado em 11/11/2014

Resolvi fazer como sugere Bob marley: levantar e lutar pelos meus direitos. Visitei o Procon para informar minha situação e ver o que era possível ser feito. O problema é que o Procon é tão enrolado quanto as empresas que nos enrolam. E quando se desenrola, não tem muito o que fazer. Em minha primeira visita ao Serviço, mal comecei a contar minha história quando a atendente me cortou e disse: "Você quer cancelamento da multa? Então terei que agendar seu atendimento para amanhã. Por favor traga uma cópia da multa".

O fato de eu ter que retornar no dia seguinte não foi novidade. A surpresa foi a aparente simplicidade do negócio. Será que era só mesmo trazer a multa e tudo se resolveria tão fácil?

Óbvio que não.

Bora lutar pelos nossos direitos...

Quando cheguei no dia seguinte, mesmo com o agendamento tive que esperar em torno de 30 minutos. Mas o que é meia hora pra quem já perdeu 1 mês de serviço da Claro, sem falar nos deslocamentos até a loja e nas esperas por telefone. Se não me venceram até ali, não seria mais um chá de cadeira que daria conta do serviço.

A responsável pelo nocaute final foi a moça que me atendeu. Também pouco disposta à me ouvir, foi logo pedindo os documentos. "Que documentos?", perguntei. Me pediram uma cópia da multa e tudo estaria resolvido. Por favor, não destrua meus sonhos agora. Mas foi o que ela fez, implacável. "Preciso dos comprovantes de que você pagou o serviço, pois a multa deriva de um serviço que você não teve". Indignado (mais uma vez) com a burocracia que só favorece os poderosos, tentei me explicar dizendo que tinha sido enganado na loja e recebido uma multa por reclamar e que eu não pretendia voltar ali uma terceira vez depois de caçar os comprovantes em casa. Sem falar que no dia anterior me disseram que a cópia da multa bastava.

Nada feito. Afinal, o Procon não estava sendo tão diferente da minha algoz. Excesso de regras e leis que só servem para minar nossa paciência e nos fazer desistir de qualquer ação.

Munido do contrato que eu assinei com a Claro, tentei pateticamente usá-lo como comprovante do serviço. Não só foi recusado, como de brinde ela ainda encontrou a falcatrua da operadora nas letras miúdas. Pois é, estava ali, agora tão visível a informação de adesão à um serviço PÓS-PAGO. "Como assim?!", me perguntei inconformado. Era verdade. Estava bem ali. Com minha assinatura e tudo. Mas a vendedora tinha me vendido um Pré! Erro meu ao assinar sem ler. Em resumo: fui na loja comprar um Chip e saí com um plano Pós-Pago disfarçado de "Pré Com Recarga Programada".

Segundo a funcionária do Procon, esse tipo de serviço não existe. Ou é Pré ou é Pós. Qualquer outra coisa além disso é pura malandragem de um funcionário treinado para passar a perna no maior número de desavisados possível. Faça às contas: se ela vende 20 serviços por dia, provavelmente 5 se darão conta da sacanagem, 1 ou 2 irão às autoridades e algo muito próximo de 0 conseguirão alguma coisa de volta. A empresa fatura e a funcionária está de parabéns!

Acabei pagando a multa meio para não ter que voltar no Procon mais 2 ou 3 vezes e meio para virar a página da minha vida desse episódio tão lamentável.

Resumo do Caso

Brasil, o pior juíz para as piores empresas!

A Assassina: Claro, uma empresa gigantesca e multinacional, riquíssima, fez mais uma vítima, embora não possa dizer que a luta tenha sido fácil. Considerada inocente, a Claro segue cometendo seus atos de mentira e roubo, protegida por leis burocráticas, falta de fiscalização por parte do governo e falta de caráter por parte dos diretores.

A Vítma: Felipe Andarilho perdeu seu número de celular de 10 anos, foi condenado à pagar duas multas por rescisão de contrato de um serviço que ele não aderiu, além de uma mensalidade que nunca chegou a se tornar crédito de celular. Felipe segue sua vida como trabalhador e escritor do blog Músicas de Andarilho e em tempo livre dedica-se à fazer uma propaganda boca-a-boca negativa da operadora. Espera-se que em 10 anos ele tenha salvo ao menos meia dúzia de pessoas de cair nas garras da Claro.

O Advogado: O Procon foi incapaz de tomar qualquer mínima medida para equilibrar a balança entre empresa gananciosa e consumidor extorquido. E mesmo que ainda houvessem evidências, pouco poderia ser feito. Nas palavras da funcionária: "O Procon apenas envia uma carta sugerindo o acordo com o consumidor, mas a empresa não é obrigada à acatar a sugestão". Estão de parabéns, viu, seu Procon!

Um comentário:

Anônimo disse...

Olá Felipe boa tarde, ache muito boa a postagem e certa, já precise no passado mas não tive, e me senti identificado com levar uma vida de rock star sem limites, rsrs, vou aproveitar para compartilhar com vocês esse aplicativo para recarregar credito pela internet e achei bem legal, espero gostem: http://www.recarga-brasil-sl.com.br/

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...