Viaje neste blog

Tenho que fugir

22/05/2014

Despertanto a atitude de mudar

Há bandas que exercem um papel de coadjuvantes em nossas vidas. Longe de serem o centro de nossas atenções, essas bandas aparecem quando somos jovens com hits marcantes, mas que por alguma razão não nos enfeitiçam como nossas bandas favoritas. Isso não quer dizer que a banda em questão seja pior. Aliás, existem muitos coadjuvantes que roubam a cena dos atores principais. Ultimamente quem tem roubado a cena no meu player tem sido uma eterna coadjuvante, The Offspring. A canção que mais repete é do disco "Smash", lançado em 1995. Segue a letra:




Gotta Get Away
(Holland)

I'm gettin' Edgy
All the time
There's someone around me
Just a step behind
It's kinda scary
The shape I'm in
The walls are shakin'
And they're closing in
Too fast or
A bit too slow
I'm paranoid of people
And it's starting to show
There's one guy that
I just can't shake
Over my shoulder
Is a big mistake

Sitting on the bed
or lying wide awake
There's demons in my head
And it's more than I can take
I think I'm on a roll
But I think it's kinda weak
Saying all I know is
I gotta get away from me

I tell you something
Just ain't right.
My head is on loose
But my shoes are tight
Avoiding friends, 'cause
They all bug.
Life is like a riddle
And I'm really stumped
If you reason
Don't you know
Your own preoccupation
Is where you'll go
I think I'm being followed
I look around
It's only my shadow
Creeping on the ground

Dê o play e comece a viagem:



Vamos à andança...

Gotta Get Away é uma receita perfeita de canção que não vai sair da cabeça tão cedo. Seguindo à risca a regra de que uma boa casa precisa começar com uma boa cozinha, logo de cara podemos notar uma bateria diferenciada de Ron Wealty. O baixo entra logo na sequência com uma marcação rápida e empolgada. A guitarra aqui é, como a própria banda, uma coadjuvante de primeira. Daquelas que acrescenta mais do que o esperado. O riff então toma forma e temos um ritmo excelente, cheio de vida e força para acompanhar a voz de Dexter Holland. O cantor faz o melhor uso de sua voz pouco virtuosa, mas muito carismática com versos curtos e afiados que encarnam a letra com precisão. Na poesia, o vocalista descreve a sensação de perseguição e a impotência na hora de enfrentar os medos que nós próprios criamos. As vozes em nossas mentes às vezes são fortes demais e torna-se quase impossível vencer essa batalha sozinho. É por isso que o cantor clama pela ajuda que vem no refrão com uma virada potente na bateria e a acelerada na instrumentação. A nova levada tem um ritmo ainda mais contagiante. Eles então dizem: "Sentado na minha cama ou deitado ainda acordado. Há demônios na minha cabeça e é mais do que eu posso aguentar. Acho que estou protegido, mas não por muito tempo. Tudo que sei é que tenho que fugir de mim". A combinação de instrumentos segue uma harmonia pesada e impecável enquanto Dexter continua descrevendo seu estado mental paranóico. Ao final da peça, o músico continua repetindo o título da canção no ritmo inspirador e libertador: "Preciso fugir de mim". Confesso que quando essa canção me fisgou pela primeira vez foi exatamente num momento em que eu precisava fugir. Cansado da vida de escravidão moderna que levo na Austrália, percebi ali, na voz do Offspring uma mão estendida. Meu pedido de ajuda encontrou eco. Vi a luz no fim do túnel quando eles compartilharam a minha dor. Preciso fugir daqui, eu dizia pra mim mesmo. Preciso fugir de mim. A decisão é minha, assim como todas as correntes e amarras que existem na minha mente foram colocadas por eu próprio. Se há alguém capaz de me salvar esse alguém só pode ser eu. Offprisng me deu a direção. Consciente de que precisava sair daquela situação o quanto antes, resolvi agir. Meus dias de lavador de pratos e carros estão contados. Agora o que resta é desfrutar a descida da ladeira com a mesma sensação de liberdade que essa guitarra pesada e essas pauladas na bateria podem propôr. Nada mais tem peso suficiente para tornar-se uma preocupação. As vozes na minha cabeça falaram, mas não eram demônios e sim minha intuição. Fui guiado pela brisa fresca dessa instrumentação instigante. E quando andamos à favor do vento, tudo torna-se mais tranquilo ;)

Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...