Viaje neste blog

Publicidade

Apenas o seu babaca

13/08/2013

Erros, acertos e percepções

E aqui vou eu, viajando mais uma vez na bluseira fenomenal do grande Billy Boy Arnold. Se tem algo que esse cara consegue fazer é criar um ritmo delirante com sua banda competentíssima e sua gaita afiada. Essa canção, além do balanço hipnotizante, traz uma letra interessante, capaz de despertar uma certa reflexão. Faz parte do disco "Boogie N' Shuffle" de 2001. Segue a letra:




Just Your Fool
(Arnold)

Just your fool
Doing love and care
Knowing any time
You would leave me in despair

Everybody
Is somebody's fool
Guess I'll know exception
To the rule, baby

I thought I wanted your love
And I was in for a dream
Fascination and love
It's two different strings

Hey hey, baby...

Just your playing thing
All I've ever been
When I needed true loving
A woman and a friend

The love you've shown
Was like I'm arised
The way you wreck my heart
Was like advertise

A foolish fool
Can't help myself
Can't blame you
Love put me in this jam

Everybody
Is somebody's fool
Guess I'll know exception
To the rule, baby

Vamos à andança...

Sempre admirei Billy Boy Arnold pela sua voz carismática e sua habilidade com a gaita, instrumento presente em quase todas as canções do músico e marca registrada de sua carreira. Mas há de se convir que o cara também teve talento pra conduzir sua banda com a mesma destreza com a qual sopra notas tão límpidas nos buracos de uma harmônica. O prórpio disco "Dirty Motherf..." - o mesmo que contém 1-2-99 - comprova isso, afinal foi gravado com os Groundhogs, que deram toda uma mágica diferente pro blues de Arnold numa harmonia preciosa. Just Your Fool segue a mesma linha da já comentada Home In Your Heart, na qual Billy Boy cria um ritmo alucinantemente bom pra contar uma história amorosa. Se a prática soa típica de uma lenda do blues, a influência do Mississipi vai ainda mais fundo em Just Your Fool, pois aqui a poesia serve de desabafo ao narrador. O próprio título entrega: temos aqui mais um daqueles heróis que sobreviveram à uma relação de amor nada saudável e colocaram na partitura o que aprenderam, afim de compartilhar sua dor com o mundo e, quem sabe, com alguma sorte, avisar algum desavisado para não cair na mesma roubada. Com sua gaita afiada e a banda sedenta por fazer seu ouvinte viajar na nota como se fosse um sonho, Arnold solta frases épicas contra sua algoz. Dizem que perceber o próprio erro é o primeiro passo para superá-lo. Pois bem, o cantor começa exatamente assim: "Apenas o seu bobo, te amando e respeitando, mas eu sei que qualquer hora você vai me colocar em desespero". A seguir vem uma das mais definitivas epígrafes da história do blues: "Todo mundo é um tolo na mão de alguem. Espero um dia achar alguma exceção para essa regra". Mestres sabem o que dizem. B.B. King e Eric Clapton já disseram algo parecido em Days of Old: "Não posso quebrar as regras pois todo homem é um babaca na mão de uma mulher". John Lee Hooker também assumiu o papel de besta na mão de uma mulher, na canção Stella Mae. Enfim, Billy Boy Arnold não foi o primeiro e nem será o último. A vida é cheia de encontros e desencontros; pessoas erradas e certas se misturam no nosso caminho até percebermos que não há certo e errado, mas apenas experiências sempre únicas, positivas ou não. Refletindo sobre isso, o músico diz: "Eu pensei que queria seu amor e era como um sonho. Mas fascinação e amor são duas ruas diferentes". Fato. Eis aí mais uma verdade que apenas um mestre da música poderia expressar de forma tão simples e eficaz. Em meio ao ritmo delirante, que conta com um trompete incrível permeando cada verso com delicadeza e malícia, ele diz ainda: "Um completo idiota... Não posso me ajudar. Também não posso te culpar. Foi o amor que me colocou nessa prisão". O balanço segue inebriante e a voz gostosa de Arnold dá lugar à um solo incrível, que só acentua ainda mais nossa compaixão por esse coitado que, como tantos - como nós mesmos! - já se ferrou por causa de alguém. Billy Boy ainda volta pra colocar o refrão em pauta mais uma vez, mas no fim ficamos com aquela sensação boa de que tudo que acontece tem um motivo. Mesmo que acreditamos que algo foi ruim, tudo serve como experiência - novas lições que aprendemos e que não fosse a tão criticada pessoa, jamais teríamos aprendido. E com o blues e o amor em mente, seguimos nós, eternos tolos, viajando e aprendendo ;)

Nunca ouviu?

Não seja um babaca. Escute:

Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...