Leia também!

Novo dia

01/07/2013

Viva as mudanças e o ritmo da vida

Mesmo a cara vida na Austrália não foi suficiente para remover a minha tola mania de comprar CDs. Tal mania se revela ainda mais incoerente quando leva-se em conta que não tenho um aparelho de som aqui. Com esperança de algum dia poder escutar meus álbuns decentemente - e não pelo player de um notebook, por favor - minha coleção continua, aos poucos, aumentando. E para fazer jus ao país em que vivo agora, fiz questão de adquirir um disco do Midnight Oil, uma das minhas bandas australianas preferidas. Quando ouvi a canção abaixo, soube que tinha feito uma boa aquisição. O disco chama-se "Earth and Sun and Moon" e saiu em 1993. Segue a letra:




Bushfire
(Garrett/Moginie)

In my shoes
In my shoes
There is so much to remind me
As the stars come out above me
Home

Cool wind, clear my head
Bright sun grow my food
Strong rain clear my heart
Fill my land

I don't know why it is sold
Don't know why it's so cold
In this life that we live

New day
New day
New day

In my shoes
In my shoes
There is so much to astound me
As the whirlpool spins around me
Home

Bushfire, burn and grow
Sunset watch and rest low
A long night holding child close
Feed my dream

I don't know why it is sold
Don't know why it's so cold
In this life that we live

New day
New day
New day
New day

It's so larger than life
It's darker than death
We're gonna move those mountains aside
Here come the messages

Vamos à andança...

Bushfire é o tipo de música que eu preciso parar tudo que estou fazendo quando ela começa. Faço isso para poder aprecia-la em toda sua magnitude. E esta é tão vasta quanto o país natal dessa banda. Quando ouvi Bushfire pela primeira vez eu soube que estava diante de uma canção poderosa. Seu efeito em mim foi tão certeiro quanto uma cerveja gelada no calor escaldante do verão da Austrália. Ela começa com um ritmo tranquilo, porém emocionante marcado pelo violão bonito de Jim Moginie. O ritmo é a base para toda a obra, mas após alguns instantes passa a ser acompanhado por um pianinho que repete o riff de forma bastante agradável. Esse é o tipo de ritmo que você pode ficar horas escutando sem enjoar. E não há segredo. Ele fica apenas repetindo suas sete notas sem parar, mas estas são tão harmoniosas e bem construídas que não soam repetitivas, mas apenas viajantes e inspiradoras. A voz de Peter Garret também contribui com a peça, soltando frases em timing exato para não roubar a cena dos instrumentos, mas sim para complementa-los. A letra, como o Midnight Oil gostava tanto de fazer fala sobre o meio ambiente. Diferente do tom de crítica que impera na maioria das letras da banda porém, aqui a poesia gira em torno de uma sútil descrição contemplativa da paisagem com um quê de questionamento. Ele diz: "O vento frio limpa minha mente. O sol brilhante faz crescer minha comida. A chuva forte limpa meu coração e enche minha terra. Não sei por quê isso foi vendido. Não sei por quê está tão frio nessa vida que vivemos". Mais à frente Garret diz suavemente: "New day" ("novo dia") e é acompanhado pelos backing vocals excelentes - tão sutis e ao mesmo tempo presentes quanto a obra inteira. A impressão que dá é que o narrador percebe como sua terra é infinitamente bela e misteriosa. Afinal, há florestas, montanhas e vento. E também há incêndios, terremotos e tempestades. O que para nós é uma tragédia, para a terra é apenas mais um dia. Um "novo dia" como eles dizem no refrão. Cada dia é uma transformação. Isso me lembra uma frase de Buda: "Tudo que começa, termina. Aceitai isso e tudo estará bem". Tudo começa e termina. O próprio fim termina num novo começo e assim tudo se transforma e continua. Aqui na Austrália aprendi muito sobre isso. A cada dia faço novos amigos, mas um bom punhado de velhos amigos vai embora no mesmo período. A comida que compro dura apenas alguns dias e logo estraga e tem que ser jogada fora - não há compra mensal na Austrália. Aqui também há muitas lojas de artigos usados, deixados para trás por quem precisou partir e que serão utilizados novamente por quem está chegando. O esquema de trabalho por turnos nos faz pensar em sobreviver um dia de cada vez - e não mensalmente como fazemos no Brasil. De certa forma aqui percebemos mais claramente como a vida é passageira. Isso não é um ponto negativo, de forma alguma. Aliás, por ser passageira é que a vida se torna única e especial. Ela é como essa canção: uma viagem tranquila, por alguns momentos acelerada, mas que te conduz por todas as mudanças com um ritmo inesquecível e maravilhoso. Ouça Midnight Oil e prepare-se para cada dia como um novo dia ;)

Nunca ouviu?

A mudança começa agora. Escute:

3 comentários:

Fabio CS disse...

Muito bacana e a vida é assim mesmo. Grandes impressões e verdade. Um abraço.

Andarilho disse...

Obrigado mestre!! Abração!

Matheus disse...

musica sensacional, e a guitarra no final me lembrou muito o the edge, e tenho que concordar a vida aqui e meio que um dia de cada vez e muita mudança, mas isso so aumenta nossa bagagem e experiencia pra quando voltarmos pro brasa.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...