Viaje neste blog

Borboleta

17/07/2013

Sexo e instrumentos de sopro

Tenho um fraco por trompetes e instrumentos de sopro em geral. Talvez esteja no meu sangue. Reza a lenda que meu avô era um lendário trombonista. Capaz de aprender canções de ouvido, ele emprestava seu talento à banda da cidade de Pereira Barreto e com ela excursionava pelo interior de São Paulo. Quem sabe parte do amor aos metais chegou até mim e é por isso que canções com trompetes, saxofones, trombones, clarinetes e derivados despertam minha atenção e apreço. É o que acontece com essa canção do Jason Mraz, presente em seu disco "We sing, We Dance, We steal things", lançado em 2008. Segue a letra:




Butterfly
(Mraz)

I'm taking a moment just imagining that I'm dancing with you
I'm your pole, and all you're wearing is your shoes
You got soul, you know what to do to turn me on until I write a song about you
And you have your own engaging style
And you've got the knack to vivify
And you make my slacks a little tight, you may unfasten them if you like
That's if you crash and spend the night

But you don't fold, you don't fade
You've got everything you need, especially me
Sister, you've got it all
You make the call to make my day
In your message say my name
Your talk is all the talk,
Sister, you've got it all (you've got it all)

Curl your upper lip up and let me look around
Ride your tongue along your bottom lip and bite down
And bend your back and ask those hips if I can touch
Because they're the perfect jumping off point of getting closer to your

Butterfly
Well you float on by
Oh, kiss me with your eyelashes tonight
Or, Eskimo your nose real close to mine
And let's mood the lights and finally make it right

But you don't fold, you don't fade, you've got everything you need
Especially me
Sister, you've got it all

You make the call to make my day
In you message say my name
Your talk is all the talk.
Sister, you've got it all
You've got it all, you've got it all, you've got it all

You've got it all, you've got it all

Doll I need to see you pull your knee socks up,
Let me feel you up side down, slide in, slide out, slide over here
Climbing to my mouth.
Now, child.

Butterfly, well you landed on my mind
Dammit you landed on my ear and then you crawled inside
Now I see you perfectly behind closed eyes
I wanna fly with you and I don't wanna lie to you
Cause I, cause I can't recall a better days
I'm coming to shine on the occasion

You're an open minded lady
You've got it all
And I never forget a face
If I'm making my own
I have my days
Let's face the fact here, it's you who's got it all

You know that fortune favors the brave
Well let me get paid while I make you breakfast
The rest is up to you, you make the call

You make the call to make my day
In your message say my name
Your talk is all the talk,
Sister, you've got it all

Cause I can't recall a better day
I'm coming to shine on the occasion
You're a sophisticated lady, oh, you've got it all

You've got it all, you've got it all, you've got it all
You've got it all, you've got it all...

Butterfly, baby, well you've got it all

Vamos à andança...


Não é exagero quando digo que amo ouvir instrumentos de sopro. Tocar gaita foi minha primeira (tentativa de) incursão no mundo musical, afinal, quer coisa melhor do que a gaita que abre Samba Makossa ou que fecha Desire do U2? Foi por causa da gaita que me interessei por blues. Travelling Riverside the Blues é um bom exemplo de como um blues pode te enlouquecer com uma gaita. Além desse simpático instrumento, qualquer outro metal soprado sempre me chamou a atenção. Desde pequeno, com as antigas canções do Skank - como Siderado - até hoje com os meus já devidamente apresentados Orishas. Foi graças aos trompetes que Lou Bega me fisgou, e com ele todo amor pela música latina. Não posso deixar de citar, é claro, As Good As You've Been To This World, da rainha Janis Joplin, cuja audição faz escorrer mel dos meus ouvidos. É por isso que Butterfly se tornou uma das minhas canções preferidas do Jason Mraz logo que ouvi seu disco de 2008 pela primeira vez. A letra dessa obra é toda focada naquela paixão efervescente e quase incontrolável, conhecida como desejo sexual, capaz de criar as mais fantásticas cores e colagens entre duas pessoas - ou mais, dependendo do tamanho seu apetite, é claro. Sexo é poderoso. Talvez mais poderoso que o poder político. Provavelmente mais poderoso que uma espada afiada. "Game of Thrones" está aí e não me deixa mentir. Para acompanhar tamanho poder, é preciso uma instrumentação adequada - capaz de extravasar toda excitação e libido que a canção precisa. Mas calma lá. Não pode ser com pressa. Não pode sair do controle. Pode e deve chegar no limite, mas definitivamente não sair do controle, ou tudo estrará perdido como aquela transa que não foi tão boa quanto poderia. É por isso que o saxofonista Carlos Sosa, o trumpetista Fernie Castillo e o trombonista Raul "Ralo" Vallejo dão apenas uma leve amostra do poder de seus instrumentos nos primeiros segundos. Jason Mraz também começa de leve, descrevendo a moça que mexe com seu imaginário masculino: nua, dançando em volta dele, graciosa como a borboleta do título. Conforme a descrição se acentua e a canção cresce, os metais vão ganhando destaque. Quando Mraz chega na ponte, os músicos já soltaram mais notas, prometendo um show à parte. E ele chega com todo seu ímpeto no refrão. Mraz diz: "Você faz uma ligação e faz o meu dia. Na sua mensagem você diz meu nome. Sua conversa é tudo. Irmã, você tem tudo". Esse "Sister, you got it all" que ele diz é delirante. Ao fundo, os instrumentos destilam sua mensagem com a mesma precisão. É possível ouvir nos trompetes a declaração e entrega do narrador. No saxofone fica clara à devoção ao corpo e ao momento com a amada. É o clímax da noite. Mais à frente, como que no momento mais importante da festa, o cantor repete com seus backing vocals: "You've got it all, you've got it all, you've got it all" como quem embebedado de prazer, já não consegue pensar direito no que dizer, mas diz o que pode, com sinceridade. No final os sopros continuam em alta: acelerando, e mantendo o ritmo empolgante e enérgico, como se a obra não fosse acabar nunca. Por um momento você acredita. Exatamente como uma daquelas noites incríveis ;)

Nunca ouviu?

Entregue-se à essa noite. Escute:

Um comentário:

Anônimo disse...

Como sempre uma delícia ler seus textos.Quanto à lenda , é real sim.E ficou para quem quiser sua herença musical,tão linda e autodidática.Adorei o seu bom gosto musical. Bjs .Mama.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...