Viaje neste blog

Publicidade

A Praieira

19/04/2013

Uma cerveja antes do almoço é muito bom pra ficar pensando melhor

Nesses dias em que estou tendo a benção de conhecer pessoas dos quatro quantos do mundo, tenho falado muito em música. A música local pode dizer muito sobre um país. Ouvindo músicas colombianas, por exemplo, posso perceber o quanto aquele povo é alegre e passional - exatamente como nós, brasileiros. Para a maioria desses novos amigos que querem conhecer mais sobre a música brasileira sempre indico Nação Zumbi. Acho que aqui está muito do que o brasileiro é. Então vamos lá viajar numa canção brasileiríssima do Nação Zumbi, presente no primeiro disco deles, "Da Lama ao Caos", de 1994. Segue a letra:




A Praieira
(Science)

No caminho é que se vê
A praia melhor pra ficar
Tenho a hora certa pra beber

Uma cerveja antes do almoço
É muito bom pra ficar pensando melhor

E eu piso onde quiser
Você está girando melhor, garota
Na areia onde o mar chegou
A ciranda acabou de começar, e ela é!
E é praieira!
Segura bem forte a mão
E é praieira!
Vou lembrando a Revolução
Vou lembrando a Revolução
Mas há fronteiras nos jardins da razão

E na praia é que se vê,
A areia melhor pra deitar
Vou dançar uma ciranda pra beber

Uma cerveja antes do almoço
É muito bom pra ficar pensando melhor

Você pode pisar onde quer
Que você se sente melhor
Na areia onde o mar chegou
A ciranda acabou de começar, e ela é!
E é praieira!
Segura bem forte a mão
E é praieira!
Vou lembrando a Revolução
Vou lembrando a Revolução
Mas há fronteiras nos jardins da razão

Vai pisando, ê!
Segurando, ê!
Arrastanto, ê!
É praieira!
É praieira!
É praieira!

E na praia é que se vê,
A areia melhor pra deitar
Vou dançar uma ciranda pra beber

Uma cerveja antes do almoço
É muito bom pra ficar pensando melhor

Você pode pisar onde quer
Que você se sente melhor
Na areia onde o mar chegou
A ciranda acabou de começar, e ela é!
E é praieira!!!
Segura bem forte a mão
E é praieira !!!
Vou lembrando a Revolução
Vou lembrando a Revolução
Mas há fronteiras nos jardins da razão

Vai pisando, ê!
Vai girando, ê!
Segurando, ê!
Arrastando, ê!
Arrastando
Arrastando
Arrastando
É praieira!
É praieira!
É praieira!
É praieira!

No caminho é que se vê
A praia melhor pra ficar
Tenho a hora certa pra beber

Uma cerveja antes do almoço
É muito bom pra ficar pensando melhor

Vamos à andança...

Há alguns meses atrás, ainda inseguro para falar de uma banda tão excelente quanto o Nação Zumbi, percebi o quanto a música Etnia falava sobre o nosso país. Ali Science e sua trupe de Recife defendiam numa mistura entre peso e swing a igualdade entre as várias diferentes etnias presentes no Brasil. Hoje, muito mais familiarizado com a banda, percebo claramente que todas suas canções têm um pouco do nosso país, sejam em letras históricas como Banditismo por Uma Questão de Classe ou regionalistas como Manguetown. No caso de A Praieira o espírito brasileiro está muito mais implícito diluído num ritmo gostoso e rápido da bateria e da alfaia que se alternam sublimemente com a guitarra pesada de Lúcio Maia. Tais instrumentos, somados ao baixo vigoroso de Alexandre Dengue criam todo um maracatu inspirador e delirante que faz com que o riff da guitarra se sobressaia de forma simpática e malandra. O mestre Chico Science então declama seu hino num ritmo preciso que usa o riff como relógio: "No caminho é que se vê a praia melhor pra ficar. Tenho a hora certa pra beber. Uma cerveja antes do almoço é muito bom pra ficar pensando melhor". Essa última icônica frase é o que resume toda a obra. Ser brasileiro é ser cheio de energia como essa bateria. É ser simpático e denso como esse riff. E, mais do que tudo, é ser de bem com a vida como essa frase. A cerveja é só um detalhe, mas que faz toda diferença. Que brasileiro não se transporta mentalmente para o sossego de uma praia do nordeste com uma cervejinha ao lado ao ouvir esse refrão? Há quem prefira uma água de coco, é claro, mas fato é que provavelmente todos no Brasil se identificam com a epígrafe. Fique à vontade para alterar a bebida para algo que agrade mais o seu paladar. Mais à frente, Science descreve a experiência litorânea e a garota que complementam o quadro como o sorriso da Monalisa. Ele diz: "Você pode pisar onde quer que você se sente melhor. Na areia onde o mar chegou, a ciranda acabou de começar, e ela é! E é praieira!" A alegoria à praia não poderia soar melhor, afinal à essa altura da música já estamos estendidos na areia sob o sol quente do verão, com a cerveja (ou água de coco, ok) ao lado sem querer que o dia acabe. Cada vez que ele repete o título: "E ela é, é praieira" só ficamos mais e mais à vontade na areia. Pra encerrar da melhor forma a experiência brasileiríssima a guitarra cresce, outra guitarra ao fundo destila notas agudas, a bateria segue ligeira até que tudo pára e Chico diz, com a clareza que só o silêncio permite: "Uma cerveja antes do almoço é muito bom pra ficar pensando melhor". Não é vício. Como eu disse, poderia ser qualquer bebida. Poderia ser um cigarro, um chá mate ou até um chimarrão. O efeito seria o mesmo: o perfeito momento da tranquilidade e vida boa. Então trate de relaxar, abrir sua latinha e curtir um Nação Zumbi, afinal você certamente é praieiro também ;)

Nunca ouviu?

E ela é, é praieira! Escute:

3 comentários:

SIlvana disse...

Vai ser o ultimo post do dia que vou ler..kkk realmente nação zumbi tem som muito autentico brasileiro.
Uma musica deles cantada pela Cassia Eller que sempre me faz lembrar da minha cidade è Tomar banho de canal...kkk quase toda criança em santos já foi a praia e tomou banho no canal...kkk boas lembranças de infancia.

Aline Cerqueira disse...

Bem, acredito que faltou um item bem contundente nesta música... A sua relação íntima com a Revolução Praiera ocorrida entre 1848 e 1850 na Província de Pernambuco...

Felipe Perazza disse...

Oi Aline, não sabia dessa relação. Vou dar uma pesquisada e adiciono esse ponto. Grande abraço e obrigado pela visita

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...