Mais um livro do Andarilho

Exatamente agora!

05/12/2012

O Poder de um teclado no momento certo

A figura de um tecladista nem sempre orna perfeitamente com uma banda de Rock. Por mais que músicos deste instrumento possam vir a ser tão ou mais talentosos que os demais integrantes do grupo, os tecladistas carregam eternamente uma dura sina: a de não serem uma figura clássica do Rock N'Roll. Fora guitarras, baixos e baterias, tudo o que vem além é intruso, traz uma sensação de deslocamento - sejam saxofonistas, percussionistas, flautistas. O mais intrigante é que algumas bandas possuem um ilustre tecladista em seu line up oficial, o que raras vezes ocorre com os demais profissionais citados. Essa canção do Van Halen serve pra mostrar o quanto este renegado instrumento pode fazer a diferença numa boa canção do velho Rock N'Roll. Faz parte do disco "For Unlawful Carnal Knowledge", de 1992, que trazia o grande Sammy Hagar nos vocais. Segue a letra:




Right Now
(Halen/Anthony/Hagar/Halen)

Don't wanna wait 'til tomorrow
Why put it off another day?
One more walk through problems
Build up, and stand in our way. oh

One step ahead, one step behind it
Now you gotta run to get even
Make future plans don't dream about yesterday, hey!
Come on turn, turn this thing around

(right now!)
Hey! it's your tomorrow
(right now!)
Come on, it's everything
(right now!)
Catch your magic moment
Do it right here and now
It means everything

Miss a beat, you lose a rhythm
And nothin' falls into place
Only missed by a fraction
Slipped a little off your pace

The more things you get, the more you want
Just trade in one for another
Workin' so hard to make it easy
Got to turn, come on
Turn this thing around

(right now!)
Hey, it's your tomorrow
(right now!)
Come on, it's everything
(right now!)
Catch that magic moment
Do it right here and now
It means everything
It's enlightened me
Right now
What are you waitin' for?
Right now

(right now!)
Hey! it's your tomorrow
(right now!)
Come on, it's everything
(right now!)
Catch that magic moment
And do it right, right now
Oh, right now!

It's what's happening
Right here and now
Right now, it's right now
Tell me, what are you waitin' for?
Turn this thing around

Vamos à andança...

Pense na palavra "Rock and Roll". Posso apostar uma cerveja que dentre as vinte primeiras imagens que vieram na sua cabeça nenhuma delas é de um teclado ou de um tecladista fritando as teclas freneticamente como provavelmente foi o que você imaginou acontecendo com um guitarrista e seu instrumento. O fato é que teclado não tem cara de Rock. Visualmente cai melhor num Jazz, ou num Blues, não que isso seja necessariamente pejorativo. Talvez seja até o oposto. Mas é a cara de Rock que ele não tem. Seu som é tão inebriante e envolvente quanto os maiores solos de guitarra e tão potencializador quanto as mais pesadas pancadas nas baterias pelo mundo a fora. Não faltam exemplos de linhas de teclados que fazem toda a diferença numa obra. Basta olhar para Burn, do Deep Purple por exemplo, conduzida pelo Maestro Jon Lord. Quer um teclado viajante como poucas coisas no mundo? Ouça Joy do The Cult. Isso sem citar The Doors que tem toda uma discografia calcada no teclado de Ray Manzarek que não nos deixa sentir falta de um baixo. Lutando contra essa injusta sina, Van Halen deixa aqui uma de suas maiores contribuições ao mundo do Rock com uma canção quase que 100% movida à teclas. E a maior ironia é que o teclado de Right Now é tocado pelo próprio Eddie Van Halen, músico reconhecido como um dos melhores guitarristas do mundo. Ou seja, até ele sabia quando era a hora em que um teclado podia falar palavras incapazes de serem pronunciadas pela velha amiga guitarra. Right Now precisa de um teclado como John Lennon precisava de Yoko Ono. Um riff de teclado aqui é imprescindível, como era um trago para Jimi Hendrix. Isso por quê a belíssima poesia escrita pela banda mistura emoção, drama e uma explosão de energia que dificilmente poderia ser traduzida apenas pelos demais instrumentos. O riff introdutório é belamente tocado e vai apresentando a obra com suas notas rápidas e límpidas. Ele puxa a guitarra, depois apresenta a bateria que, com pancadas agressivas executadas por Alex Van Halen, formam um ritmo envolvente e poderoso. É o tipo de riff que poderia durar horas, e cada minuto ficaria repleto de chacoalhadas de cabeça inconscientes. Seu cérebro agradece por ele durar apenas 1 minuto, mas seu coração queria mais. De qualquer forma a canção segue sempre excelente com Sammy Hagar iniciando a letra tão especial como a instrumentação prometia. Ele diz nada menos do que ensina o Carpe Diem ou o Caminho do Guerreiro: apreciar o presente. Começa assim: "Não quero esperar até amanhã. Por quê adiar mais um dia?" e segue com "Faça planos pro futuro, não sonhe com o passado. Vamos, mude isso completamente!" Ele então chama uma virada bombástica e encarna o refrão: um gritos dos backing vocals duelando com sua marcante voz. Eles gritam: "Bem agora! Isso é tudo! Exatamente agora! Segure este momento mágico, ele significa tudo". Assim como o riff, o refrão poderia durar horas que nem raciocinaríamos a respeito. Mas diferente do instrumental que permite apenas a viagem mental, o refrão pode ser cantado. E será, gritado, repetido com força e com felicidade. Nada mais importa, além do momento presente. E essa valiosa lição passaria despercebida, não fosse o teclado magistral ;)

Nunca ouviu?

Vamos lá, ouça bem agora! Escute:

Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...