Mais um livro do Andarilho

[SOUNDTRACK] Os Mercenários 2

19/11/2012

Amizade e alegria andam juntas

Cinema é uma inspiração quase tão grande quanto a música. Um dos filmes que recentemente me apresentou uma nova banda amiga foi "Os Mercenários 2", idealizado pelo Mestre da Ação Sylvester Stallone. O ator - famoso por interpretar personagens tão machos que tomam banho com petróleo e pedra pome - sempre deixou claro seu bom gosto musical em seus filmes. A série Rocky, por exemplo é recheada de hits do Hard Rock oitentista. Em Mercenários 2, também pontuado por vários bons exemplares do Rock and Roll, uma canção se destaca por sua alegria e balanço. É da banda Rare Earth, lançada em 1971 no disco "One World". Segue a letra:




I just want to celebrate
(Fekaris/Zesses)

I just want to celebrate another day of livin'
I just want to celebrate another day of life
I put my faith in the people
But the people let me down
So I turned the other way
And I carry on, anyhow
That's why I'm telling you

I just want to celebrate, yeah, yeah
I just want to celebrate, yeah, yeah
Another day of living,
I just want to celebrate another day of life

Had my hand on the dollar bill
And the dollar bill blew away
But the sun is shining down on me
And it's here to stay
That's why I'm telling you

I just want to celebrate, yeah, yeah
Another day of living, yeah
I just want to celebrate another day of living
I just want to celebrate another day of life

Don't let it all get you down,
Don't let it turn you around and around
And around and around

Well, I can't be bothered with sorrow
And I can't be bothered with hate, no, no
I'm using up my time by feeling fine, every day
That's why I'm telling you I just want to celebrate
Aw, yeah

I just want to celebrate yeah yeah
Another day of living, yeah yeah
I just want to celebrate another day of livin', yeah
I just want to celebrate another day of life

Don't let it all get you down, no, no
Don't let it turn you around and around,
And around and around, and around
Around round round
'round and around round round round
don't go 'round

Vamos à andança...


O filme:

Quando a produção de "Os Mercenários" foi anunciada, todos os seres vivos do sexo masculino - desde cães até dragões de Komodo - ficaram excitados. Isso por que o audacioso projeto de Sylvester Stallone faria aquilo que todos os homens do mundo há muito esperavam: um filme que unisse todos os astros da ação dos anos 80 e 90. Essa reunião sempre foi um sonho inatingível dos fãs dos filmes de ação. Embora esses antigos heróis fossem todos amigos na vida real, era praticamente impensável um filme que pudesse equilibrar tantos egos maiores que o bíceps de Arnold Schwarzenegger na época de Conan, o Bárbaro. Mas Sylvester Stallone, ele próprio um fanfarrão do cinema, finalmente decidiu criar o filme que todos seus fãs de explosões e cabeças voando gostariam de ver. Para isso convidou o atual "Cara da Ação", Jason Statham para ser o protagonista ao seu lado. Junto com o careca veio também o mestre do Kung Fu, Jet Li; o antigo Soldado Universal, Dolph Lundgren; além de outros brutamontes como Randy Couture e Terry Crews. Mickey Rourke, o grande Lutador ainda fez uma ponta, assim como o outro careca, Bruce Willis. Entretanto, o que parecia ser a oitava maravilha da testosterona acabou saindo apenas um filme bacana. Ruim, não. Mas "apenas" bacana. A monopolização de Stallone na direção e no roteiro acabou deixando de lado algumas ideias que poderiam ser melhor aproveitadas. Afinal, com tantos heróis inesquecíveis em cena, por que focar apenas em si próprio e em Jason Statham, além de encaixar uma historinha de amor pouco convincente naquele universo explosivo? Mas eis que uma continuação foi anunciada para 2012 e o "Filme dos Sonhos" finalmente aconteceu, para a alegria suprema dos machos humanos. Os Mercenários 2 acertou não só onde o anterior errou - focando mais na ação e na interação entre os astros e passando a direção para Simon West - como ainda trouxe reforços memoráveis pro elenco. Além dos nomes de peso do filme original, ainda foram inseridos Arnold Schwarzenegger, o eterno exterminador e Jean-Claude Van Damme, como o vilão da trama. Bruce Willis ainda ficou com um papel bem maior e a lenda humana Chuck Norris aparece numa cena pequena, porém engraçadíssima. Não há história de amor e isso é outro ponto positivo, pois o único amor que vale a pena ser conferido ali é o que move o grupo, seja sobrevoando as guerrilhas, seja no bar tomando uma Heineken. E assim, com muitos tiros e piadas sobre o universo violento e exagerado do cinema de ação, Os Mercenários 2 se revela um filme excepcional. É uma ridicularização sobre si próprio, sim. Mas é muito mais que isso. A começar pela trilha sonora.


Soundtrack:

O maior legado de Os Mercenários 2 é o valor da amizade. Feliz é aquele que tem amigos, mas abençoado é aquele que tem amigos de verdade. Esses são poucos. Em uma vida talvez você encontre apenas um, mas ainda assim terá valido a pena. Se tiver sorte você terá unido meia dúzia no seu bando. Em alguns casos, há uma sintonia maior do que qualquer outra, e você e seus amigos serão como uma família, porém independente de nomes ou sangue. O Rappa disse uma vez: "Família é quem você escolhe pra viver". E é exatamente esse tipo de família que move os Mercenários do título dessa obra cinematográfica. Não há futuro para os anti-heróis. Eles são renegados, destituídos de laços sanguíneos, impossibilitados se levarem uma vida normal. Tudo que eles têm além da amizade entre si próprios é um avião que, assim como eles, "deveria estar em um museu" - citando uma das mais geniais piadas do longa. É aí que filme e vida se misturam. Todos astros em cena já foram deuses de décadas anteriores. Inspiraram jovens, salvaram o mundo várias vezes. Mas foram esquecidos, deixados em segundo plano em prol de um cinema cada vez mais dramático e realista. Assistir Rambo, Demolidor, Conan ou qualquer filme clássico de Chuck Norris não tem mais o mesmo efeito. As pessoas já viram de tudo e são acostumadas a algo que as surpreenda. Quando o filme é simples, tudo é jogado fora - mesmo as mais singelas mensagens por trás dele. Qual a graça de um soldado lutando sozinho na guerra? Essa magia ficou pra trás, presente somente na lembrança dos que acompanharam aquelas lendas em cada aventura, em cada desafio - como se estivessem ali, junto com seus heróis, lhes dando força. Os Mercenários 2 traz de volta esse sentimento, colocando dessa vez todos os soldados num mesmo time. Sim, eles já deveriam estar num museu, mas ainda têm fôlego para salvar o mundo mais uma vez. Dessa vez a amizade é o alicerce do bando, fazendo com que cada um busque no grupo tudo aquilo que lhe falta. Quando a peça termina, os créditos sobem ao som de Rare Earth, outra banda antiga, atualmente esquecida, mas que ainda hoje balança as cabeças e faz bater os pés de quem estiver ouvindo. Eles agitam num ritmo alegre com um pé no psicodélico e outro no funk, dizendo repetidamente: "Eu só quero celebrar mais um dia de vida". Assim como os mercenários da telona, nada pode tirar a alegria de viver da banda, afinal eles estão vivos e têm uns aos outros para contar a qualquer hora. Essa é a única certeza, mas ela basta. Pete Rivera canta com sua voz forte e contagiante: "Eu ponho minha fé nas pessoas, mas elas me decepcionam. Então eu viro pro outro lado e sigo minha vida de qualquer jeito". Mais a frente a mensagem é ainda mais bonita: "Eu tinha um dólar nas mãos e a nota desapareceu. Mas o sol continua brilhando e está aqui pra ficar. É por isso que eu só quero celebrar mais um dia de vida". A mensagem é clara: aproveitar o que é real, e não se preocupar com o que é efêmero, sobretudo os problemas. Amizade é real, lembre-se. Na última estrofe eles debulham mais uma mensagem cheia de Ataraxia: "Eu não posso ser perturbado com tristeza. Eu não posso ser perturbado com ódio, não! Eu uso meu tempo pra me sentir bem todos os dias. É por isso que quero celebrar mais um dia de vida". E assim, com muita energia e felicidade plena brotada pelo momento presente e pelo sentimento de amizade, a banda encerra sua mensagem e os Mercenários fecham seu filme, numa sinergia incomum. Faça como eles: não se deixe ser abatido pela tristeza ou pelo ódio. Lembre-se dos seus amigos, pessoas tão queridas, lembre-se do sol brilhando que nunca se apagará e celebre mais um dia de vida ;)

"Eu poderia suportar, embora não sem dor, que tivessem morrido todos os meus amores, mas enlouqueceria se morressem todos os meus amigos"
(Vinícius de Moraes)

Nunca ouviu?

Eu quero que você celebre também. Escute:

Um comentário:

RICHARD- Bellusci disse...

Realmente maravilhoso a iniciativa de Silvester , reunir todos os grandes amigos como uma diversão de crianças, sentir que estão tão vivos e curtindo esta linda amizade entre eles.
parabéns para Stallone

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...