Leia também!

Centelha

26/08/2012

O Mestre que já era mestre desde o começo

Há alguns mêses comecei a ter aulas de violão. Meu bom amigo e mestre Silverio agora é também meu professor de música. A vantagem de ter um brother como tutor é que ele te ensinará justamente as canções que te inspiraram a querer tocar. Ele já me ajudou a realizar um sonho: tocar Gone do Mestre Jack Johnson e para comemorar aqui vai uma das mais belas obras do surfista. Faz parte do seu primeiro álbum, "Brushfire Fairytale" de 2000. Segue a letra:




Flake
(Johnson)

I know she said it's alright
But you can make it up next time
I know she knows it's not right
There ain't no use in lying

Maybe she thinks I know something
Maybe maybe she thinks its fine
Maybe she knows something I don't
I'm so, I'm so tired, I'm so tired of trying

It seems to me that maybe
It pretty much always means no
So don't tell me you might just let it go

And often times we're lazy
It seems to stand in my way
Cause no one no not no one
Likes to be let down

I know she loves the sunrise
No longer sees it with her sleeping eyes
And I know that when she said she's gonna try
Well it might not work because of other ties and

I know she usually has some other ties
And I wouldn't want to break 'em, nah, I wouldn't want to break 'em
Maybe she'll help me to untie this but
Until then well, I'm gonna have to lie too

It seems to me that maybe
It pretty much always means no
So don't tell me you might just let it go
And often times we're lazy
It seems to stand in my way

Cause no one no not no one
Likes to be let down
It seems to me that maybe
It pretty much always means no
So don't tell me you might just let it go

The harder that you try baby, the further you'll fall
Even with all the money in the whole wide world
Please please please don't pass me
Please please please don't pass me
Please please please don't pass me by

Everything you know about me now baby you gonna have to change
You gonna have to call it by a brand new name
Please please please don't drag me
Please please please don't drag me
Please please please don't drag me down

Just like a tree down by the water baby I shall not move
Even after all the silly things you do
Please please please don't drag me
Please please please don't drag me
Please please please don't drag me down

Vamos à andança...

Apesar dos Beatles moverem todos os aspectos da minha vida desde os 13 anos, foi Jack Johnson quem apertou o botão no meu cérebro e ativou a vontade de aprender a tocar violão, mesmo com uma idade relativamente avançada para tanto - levando-se em conta que os bons artistas iniciam o aprendizado na adolescência ou mesmo quando ainda eram pequenas crianças. Enfim, num postal do Andarilho-Mestre Johnnie Walker que fica na minha prateleira está escrito: "Nunca é tarde para você ser aquilo que poderia de ter sido", sábias palavras de Winston Churchill. Sinal de que ainda há tempo pra eu me tornar um guitarrista e seguir os passos de Jack Johnson em seus menores detalhes - entenda-se: tocar muito bem, compôr canções incríveis, surfar e morar no Hawaii. Mas voltando ao mundo real, essa é uma canção sobre a qual eu gostaria de escrever há tempos. Por fazer parte do primeiro disco, não há como não realçar o talento do músico, visto que um álbum que conta com canções tão perfeitas em seus minutos como a alegre Mudfootball, a densa Drink the Water e essa profunda Flake deve ser considerado como uma relíquea da humanidade. Flake é uma canção triste - ao menos sua primeira parte. Ela tem em sua levada um quê de impotência e perda, do tipo que aparece quando um relacionamento amoroso termina sem que seja possível reverter a situação por mais desejemos. Entretanto não é uma música lenta. Johnon comanda o ritmo suave com acordes ligeiros e Adam Topol entra com uma bateria firme e marcante. Mas o que mais contribui para o toque final de consternação é um singelo piano que faz um riffzinho emocionante. Jack inicia a poesia com uma característica que marcará toda a canção: falar da pessoa amada em questão por meio de um desabafo. Ele começa: "Eu sei que ela disse que está tudo bem, mas você pode compensar da próxima vez. Eu sei que ela disse que não é certo. Não há porquê mentir". Mais à frente, uma subida excelente chega no refrão tão bonito: "Me parece que 'talvez' muitas vezes quer dizer 'não'. Então não me diga que você poderia apenas deixar pra lá. Muitas vezes somos preguiçosos. Isso parece ficar no meu caminho. Pois ninguém, ninguém mesmo gosta de ser decepcionado". Mais à frente as lembranças, problemas e resoluções se mesclam em estrofes precisamente construídas como o lindo verso: "Eu sei que ela adora o nascer-do-sol" e "Talvez ela me ajude a me desamarrar, mas até lá, bem, eu terei que mentir também". Enquanto, inocentes, achamos que Johnson iria encerrar sua canção sem uma epifania, subtamente a canção se transforma completamente. Entra um solo de Slide-Guitar tocado por ninguém menos que Ben Harper trazendo uma nova energia pra canção. A bateria acelera e Johnson passa a cantar rapidamente. Ele diz: maroto: "Quanto mais árduamente você tentar, garota, mais você cairá. Mesmo com todo dinheiro do mundo". Ele canta com a alegria e resignação de quem repentinamente se vê curado de qualquer dor ou tristeza. Outro verso bacana dessa parte é: "Tudo que você sabe de mim, baby, você vai ter que mudar. Você terá de me chamar por um novo nome". E justamente assim nos sentimos ao ouvir essa obra. Se você estiver triste, ela levantará seu ânimo juntamente com essa virada. Se você está feliz, vale uma reflexão com a primeira parte. Seja como for, essa obra do início de carreira justifica a centelha musical divina que Jack Johnson possui e as consequentes influências que ele viria a causar anos depois em jovens Andarilhos que sonhavam em tocar violão ;)

Nunca ouviu?

Me parece que você se emocionará agora. Escute:

Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...