Viaje neste blog

Publicidade

[LIVRO] Clapton

28/06/2011

A dura batalha de Eric Clapton

Terminei de ler o livro "Eric Clapton - A Autobiografia" e pra registrar o período, nada melhor do que uma viagem do mestre guitarrista, numa canção que tem muito sobre o que falar da vida do rapaz. Faz parte do famoso disco "Slowhand" de 1972, que carrega a alcunha do músico: o "Mão-lenta", apelido ganho por sua habilidade absurda, mas que vem acompanhada de uma calma única enquanto toca. Segue a letra:




Cocaine
(Cale)

If you wanna hang out you've got to take her out
Cocaine
If you wanna get down, down on the ground
Cocaine

She don't lie
She don't lie
She don't lie
Cocaine

If you got bad news, you wanna kick them blues
Cocaine
When your day is done and you wanna run
Cocaine

She don't lie
She don't lie
She don't lie
Cocaine

If your thing is gone and you wanna ride on
Cocaine
Don't forget this fact, you can't get it back
Cocaine

She don't lie
She don't lie
She don't lie
Cocaine

She don't lie
She don't lie
She don't lie
Cocaine

Vamos à andança...


Cocaine é uma das músicas mais famosas da carreira de Eric Clapton. Uma das melhores com certeza. Mas o que muitos não sabem é que essa canção é de autoria de outro músico, muito menos conhecido, porém igualmente respeitado no ramo musical, sobretudo nos gêneros country e blues: J.J. Cale. Mas assim como aconteceu com Johnny Cash e a belíssima canção Hurt, Cocaine soa muito mais vibrante na voz de seu cover, principalmente depois que conhecemos um pouco mais de sua história. No final da década de 60, Eric usava e absusava cada vez mais de drogas e bebidas pesadas. Eram doses cavalares de heroína, cocaína, vodca, absinto, e tudo mais, misturado ou não, que pudesse ser ingerido enquanto alguém ainda estivesse consciente. Nas palavras do próprio guitarrista: "Não sei até hoje como nosso corpo aguentava". Se não fosse pela ajuda de amigos próximos, dentre eles, Pete Townshend, do The Who, Eric poderia ter acabado como outro grande amigo seu: Jimi Hendrix. Mas depois de uma árdua batalha, superou o vício tanto das drogas, quanto das bebidas, nos anos seguintes e se tornou plenamente limpo. Eric Clapton, mais do que mestre guitarrista é um mestre de superação, pois vencer dois vícios tão terríveis não é pra qualquer um. O segredo, segundo ele: orar a Deus e tocar guitarra. Ouvir Cocaine depois de saber disso, torna tudo mais claro, não importa o quão escura seja a história. É um cara fazendo o que sabe fazer (e fazendo muito bem): tocar música. Dessa vez uma sobre seu pior inimigo. Um inimigo perigoso, mas como diria Dumbledore em "Harry Potter": "Sempre chame as coisas pelo nome. O medo de um nome aumenta o medo da coisa em si". Eric nomeia a cocaína, e reserva à ela o que ele tem de melhor, a arma com a qual ele a venceu: sua guitarra. Ele diz: "Se você tem más notícias, você deve tirar essa tristeza... Cocaína" mas também completa: "Se você quer ir pra baixo, baixo até o chão... Cocaína". Ele entrega: esta aí o dilema. Algo bom mas que pode te destruir e cabe à você escolher, afinal: "Ela não mente, ela não mente... Cocaína". Falemos também dessa poderosa arma, a guitarra, que traz um riff destruidor - de longe um dos melhores balanços de Clapton, mas que não se compara, é claro, ao solo absurdo que o Slowhand destila no meio. Dá pra visualizar um sorriso no músico enquanto faz o solo tão empolgante. É assim que ele venceu, e é assim que ele será lembrado: pela música ;)

Nunca ouviu?

Ela não mente, ela não mente, ela não mente... A música. Escute:

2 comentários:

Amanda disse...

Adorei o post!! Um artista completo, sensacional e um dos meus preferidos. Eric, o deus da guitarra. Sem mais.

Andarilho disse...

Oi Amanda, com certeza, Eric é um dos músicos mais importantes da história, colaborou muito com a música! Obrigado pela visita!

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...