Sobre o Autor

Minha foto

Sou um homem em constante dualidade. Metade de mim queria ser um astro do Rock. A outra metade um monge budista. O resultado disso foi um blog que mistura John Lennon e Jesus Cristo e um livro chamado Heróis e Anônimos.

[SHOW] Bem vindos à Irmandade

17/06/2011

Show da Irmandade do Blues em Sâo Paulo, dia 15/06/2011

Irmandade do Blues foi a banda mais relâmpago que apareceu na minha vida até hoje. Não conhecia os caras até semana passada, quando meu primo me emprestou um disco deles chamado "Good Feelings" (2007). Quando coloquei pra tocar pela primeira vez, suspeitei que aquele som não era algo comum. Poucos dias depois, repentinamente surgiu um show deles aqui em São Paulo, ocorrido nessa quarta-feira passada. Avisado poucas horas antes - novamente pelo meu primo (obrigado, cara) - conferi o show da banda. Ali, tive certeza que o som deles não é algo comum. Segue então uma viagem sobre essa obra do blues, remodelada no som sensacional dessa banda. Segue a letra:




Line 'em
(Tradicional)

Ho, boys, is you right?
I done got right
All I hate about linin' track
These ol' bars 'bout to bust my back

Ho, boys, cancha line 'em
Ho, boys, cancha line 'em
Ho, boys, cancha line 'em

Let's see Eloise go linin' track
Down in the holler below the field
Angels are workin' on my chariot wheel

Ho, boys, cancha line 'em
Ho, boys, cancha line 'em
Ho, boys, cancha line 'em

Mary and the baby were settin' in the shade
Thinkin' of the money that I ain't made

Ho, boys, cancha line 'em
Ho, boys, cancha line 'em
Ho, boys, cancha line 'em

Well, I bin on the river, nineteen and ten
But I didn't have no women like the drivin' men

Ho, boys, cancha line 'em
Ho, boys, cancha line 'em
Ho, boys, cancha line 'em

Moses stood on the Red Sea shore
He was battin' at the waves with a two-by-four

Ho, boys, cancha line 'em
Ho, boys, cancha line 'em
Ho, boys, cancha line 'em

Well if I could I surely would
Stand on the rock where Moses stood

Ho, boys, cancha line 'em
Ho, boys, cancha line 'em
Ho, boys, cancha line 'em

Mary, Marthy, Luke and John
Well all them 'ciples now they're dead and gone

Ho, boys, cancha line 'em
Ho, boys, cancha line 'em
Ho, boys, cancha line 'em

Well you keep talkin' 'bout the break ahead
Ain't said nothin' 'bout my hog an' bread

Ho, boys, cancha line 'em
Ho, boys, cancha line 'em
Ho, boys, cancha line 'em

Ho, boys, is you right?
I done got right
All I hate about linin' track
These ol' bars 'bout to bust my back

Vamos à andança...

As vezes surpresas boas acontecem, é verdade. Quarta ia sendo um dia ordinário, com muito trabalho, seguido por algum tempo dentro do ônibus apertado, para finalmente descarregar um pouco de adrenalina na aula de Boxe. O itinerário foi mudado e as energias não puderam ser gastas no saco de pancadas, mas foram todas - TODAS - muito bem canalizadas ouvindo um som inigualável. Irmandade do Blues é mais uma banda brasileira que, assim como Fernando Noronha & Black Soul, investe suas artes musicais não em música comercial nacional, mas sim no que eles amam de verdade: o melhor blues enraizado no Delta do Mississipi. No show tocaram diversos números próprios, além de I Gotta Woman, cover sensacional da Lenda Ray Charles e outras canções tradicionais do blues, como essa Line'm. Essa foi aquela canção que me pegou de vez quando ouvi o disco e, ao ser conferida ao vivo, trouxe ainda mais apreço pelo balanço excelente que a música trás. Vasco Fae, o vocalista capricha nos versos rápidos e no refrão ótimo de ouvir que repete: "Oh Boys, can't you line them". O balanço criado pela guitarra feroz de Eduardo Gomes somado às pancadas violentas da bateria de Fernando Lóia e o baixo cavalgante de Silvio Alemão criam uma instrumentação enérgica e poderosa. É o tipo de música que dá vontade de ouvir de novo assim que acaba. No show, foi acrescida de uma pitada das improvisações que a banda cria permeando as obras, cada uma mais viajante que a anterior. Como sou fã de gaita não posso deixar de destacar os longos e empolgantes solos de Vasco, alguns inclusive passeando no meio da platéia. Momento único, sem dúvida. Outro destaque fica pro músico convidado, Bocatto, que debulhou nos trompetes, deixando as músicas com um arranjo à lá Janis Joplin. Fico feliz agora em ser iniciado à Irmandade e como tal, nunca mais abandonarei esses irmãos do Blues ;)

Nunca ouviu?

Seja bem vindo à Irmandade. Escute:

Um comentário:

Renato Perazza disse...

O show foi sem dúvida nenhuma sençacional, e entrou pra lista de Top 10 shows que já fui.
Além da competência da banda tocar músicas empolgantes, o show tem uma certa interatividade criada pelo vocal Vasco que o deixa marcante.

Abraço

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...