Leia também!

Se você chamar meu nome em voz alta

08/05/2011

O poder místico de um violão e uma voz

Quem sente fascínio pelo universo medieval, não só em sua parte histórica, mas também pelo lado fantástico envolvendo a "era das trevas" como pano de fundo certamente já ouviu falar nos lendários bardos. Em meio aos cavaleiros honrados, espadas mágicas, dragões temíveis e camponesas em apuros, havia também uma discreta figuras de um homem com um violão. Esse personagem, contam as histórias, percorriam milhas e milhas (sim, eram bons andarilhos) pelos reinos contando histórias e lendas através de sua música. Na mitologia celta, tais figuras eram dotadas de poderes sobre-humanos que se demonstravam através das cordas do violão ou das harpas que tocavam. Dentre os remanescentes desse seleto grupo de andarilhos, os mais poderosos, sem dúvida, são o Dispatch. Conheça o poder de mais uma canção do disco "Bang Bang", de 1998. Segue a letra:





Out Loud
(Urmston)

Would you be the wind
To blow me home?
Would YOU be a dream
On the wings of a poem?
And if we are walking through a crowd,
Well you know I'd be proud
If you'd call my name out loud
If you'd call my name out loud

Do you suppose that I would come running?
Do you supposed I'd come at all?
I suppose I would...

And if we were walkin down a dead-end street
Would you be the one to let our eyes meet?
Or would you just keep on walking down to the turnaround?
Cause you know I'd be proud
If you'd call my name out loud

If you'd call my name out loud
Do you suppose that I would come running?
Do you supposed I'd come at all?
I suppose I would...

And If I was gone
From the land we know
Would you be there, darling?
Would your beauty still show?
And if you were out walking
In the cold night coming
Would you call my name?
Cause you know I would come running
If you'd call my name out loud

If you'd call my name out loud
Do you suppose that I would come running?
Do you supposed I'd come at all?
You know I would...
You know I would...
You know I would...
You know I would...
I'd come running...
I'd come running...
If you'd call my name out loud

Vamos à andança...

Não é fantasia dizer que Dispatch emana poder em suas canções. Quem disse que efeito precisa ser visível? A magia é justamente sonora. Ouvir Out Loud do Dispatch faz qualquer ouvinte viajar no tempo, pensar na pessoa amada e ter a certeza de que dificilmente ouvirá outra canção tão doce. E apenas com um violão, diga-se de passagem. Com um único violão e vocais de apoio nos refrões, o trio atinge níveis sublimes com uma poesia romantica e sincera. Tudo gira em torno de, como dito no título, a "voz alta". Enquanto dedilha os acordes suaves e viajantes, Chad Urmston inicia emocionante: "Você seria o vento a me soprar pra casa? Você seria um sonho nas asas de um poema? E se nós estivéssemos caminhando em meio à uma multidão, você sabe que eu ficaria orgulhoso se você chamasse meu nome em voz alta". Aqui a balada sofre uma virada leve, e a voz de apoio de Pete Heimbold faz toda diferença ao acompanhar o colega: "Você acha que eu viria correndo? Você acha que eu viria na hora? Eu acho que sim..." Ele não precisa negar. Sua declaração é sincera de todo coração, caso contrário não soaria uma música tão perfeita. Na próxima estrofe ele continua com a metáfora: "E se estivéssemos andando numa rua sem saída, seria você aquela que deixaria nossos olhos se encontrarem? Ou você simplesmente continuaria andando até a virada? Pois você sabe que eu ficaria orgulhoso se você chamasse meu nome em voz alta". Seguindo o rítmo ótimo a canção evolui para acordes mais rápidos e um show na voz de Urmston dilacerando: "You know I would, You know I would". Ouvir te faz crer que bardos ainda existem, sim. E seu poder continua vivo em canções tão bonitas como essa. O efeito sobre quem a escuta é simples: a Inspiração ;)

Nunca ouviu?

Feche os olhos e sinta o poder. Escute:

Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...