Viaje neste blog

Publicidade

[SHOW] Magnífico

12/04/2011

Show do U2 em São Paulo, dia 9/4/2011

Quem foi, viu um espetáculo raro de ser encontrado na Terra. Só de ver aquele palco ao vivo, já dá um arrepio em qualquer um. Pensar em como alguém é capaz de construir uma obra tão grandiosa em nome da música é algo impressionante. O Show do U2 mostrou aos fãs brasileiros da banda o motivo da turnê 360º ser a mais lucrativa da história, superando a dos Rolling Stones. Ao som, fica a melhor canção do novo disco do U2, "No Line on the Horizon", de 2009. Segue a letra





Magnificent
(Vox / Edge / Mullen / Clayton)

Magnificent
Magnificent
I was born
I was born to be with you
In this space and time
After that and ever after I haven't had a clue
Only to break rhyme
This foolishness can leave a heart black and blue

Only love, only love can leave such a mark
But only love, only love can heal such a scar

I was born
I was born to sing for you
I didn't have a choice but to lift you up
And sing whatever song you wanted me to
I give you back my voice
From the womb my first cry, it was a joyful noise

Only love, only love can leave such a mark
But only love, only love can heal such a scar

Justified till we die, you and I will magnify
The magnificent
Magnificent

Only love, only love can leave such a mark
But only love, only love unites our hearts

Justified till we die, you and I will magnify
The magnificent
Magnificent
Magnificent

Vamos à andança...

Em 2006, fui ao show do U2 em São Paulo, na turnê Vertigo. Na época eu ainda iniciava minha vida de shows de rock e quando ouvi tantas músicas incríveis e vi tantos momentos emocionantes num mesmo lugar percebi que dificilmente veria algo parecido novamente. Salvo o show do Paul McCartney - o qual nada jamais superará - o novo show mostra que o U2 emociona e sempre emocionará. Com mais de 2 horas e abertura da excelente banda Muse, o show do quarteto irlandês trouxe diversos clássicos emocionantes, como Even better than the real thing, With or Without You, I Still Haven't Found What I'm Looking For e a sensacional acústica Stuck in a Moment, tocada exclusivamente pelo mestre The Edge. Quem estava ali com alguém especial, certamente registrou na memória para sempre aquelas cordas do violão solitário. Além disso, após o depoimento do arcebispo sul-africano Desmond Tutu, tocaram a excelente One. Mas não só de clássicos foi o show: momentos memoráveis ficaram com canções excelentes do disco novo como I'll Go Crazy If I Don't Go Crazy Tonight, Get on Your Boots, Moment of Surrender e essa viajante Magnificent. Nela, os acordes de Edge ecoavam no estádio no último volume produzidos pelo som do palco gigantesco, numa poderosa e incrível viagem. Ao ouvir seus primeiros segundos com esses acordes, percebemos, enfim, que aquela noite não seria comum. O título da canção resume tudo. Um espetáculo a parte também fica por conta do telão, que, modulado, expandia e envolvia o quarteto, além de passar imagens para todos os lados, sem prejudicar nenhum fã.

E já que estamos falando em "prejudicar os fãs" fica aqui a crítica à diferença social que o mercado musical vêm criando. Por um preço salgado vi o show na pista comum e como fiquei na grade (expremido de todos os lados por mais de 8 horas) vi, à poucos centímetros, as pessoas da pista VIP com metros e metros de sobra. Eles poderiam deitar no chão, se quisessem. Parecia aquelas cenas de filme em que os pobres viajavam nos navios amontoados no fundo, enquanto os ricos jantavam pomposamente nos andares de cima. Tudo isso num show de uma banda que tanto prega o amor ao próximo, e respeito mútuo. Lembro do show Vertigo que consegui ficar na grade, na área VIP, sem precisar pagar um centavo à mais. Por quê isso? Se somos todos fãs, estamos todos ali para ver a banda, por quê agora temos preços diferentes na mesma pista? Se a desculpa era ajudar a África com os ingressos da Red Zone, eu não me importaria em pagar uma porcentagem a mais para ajudá-los também e ver um show mais de perto. Mas nem a ganância dos organizadores vai tirar a emoção que senti, afinal era o U2 tocando. Em um dos momentos, o telão mostrou os quatro rapazes há 30 anos atrás, - na época em que o Bono ainda tinha cabelo - viajando num pequeno carrinho. Depois do show, minha namorada, emocionada, disse uma frase interessante sobre essas imagens: "Naquela época eles não deviam imaginar o tamanho do show que eles fariam tantos anos depois". Provavelmente não. Mas vendo aquele show, com um som tão excelente e tão viajante percebe-se que o destino deles não poderia ser outro ;)

Glória ao U2.



E obrigado, mais uma vez.

Nunca ouviu?

Um comentário:

Silmara Colombo disse...

Cheguei até seu blog buscando no google blogs onde os visitantes "viajam". Gostei e já estous eguindo. Já que as pessoas viajam em seus textos, quero dar um selinho pra você. Passa lá:
http://deturistaaviajante.blogspot.com/2011/04/selo-eu-viajo-nesse-blog.html

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...