Mais um livro do Andarilho

Virá pois ela está ali

07/02/2011

Alguém já comprou um CD por causa de apenas uma música? Uma das vezes em que fiz isso, foi com o disco "Maquinarama", do Skank, cuja canção responsável pela iniciativa foi a Ali. Não me arrependi da aquisição, pois fui presentado com diversas outras canções excelentes como Muçulmano, Ela desapareceu e Preto Damião. Mas nenhuma dessas conseguiu me conquistar de tal maneira como a tal da Ali fez. Por isso, esse post é pra ela. Segue a letra:




Ali
(Rosa / Reis)

Ela entrou e eu estava ali
Ou será que fui eu que ali entrei
Sem sequer pedir a menor licença?
Ela de batom caqui
Com os olhos olhava o quê? Eu não sei
Olhos de águas vindas
De outros oceanos

Ela me olhou - Quem?
Quem sabe com ela
Eu teria as tardes
Que sempre me passaram
Como imagens, como invenção!

Se eu não posso ter
Fico imaginando
Eu fico imaginando

Virá com ela que entrega
Virá, sim, assim virá que eu vi
Virá ou ela me espera
Virá, pois ela está ali

Ela amou o que estava ali
Ou será que foi dela o que eu já amei
Como os laços fixos de uma residência?

Ela: Alô!? E eu não reagi
Com os olhos olhava o que eu lembrei
Quando andava indo
Em outra direção

Ela me olhou - Vem!
Quem sabe com ela
Eu veria as tardes
Que sempre me faltaram
Como miragens, como ilusão!

Se eu não posso ver
Fico imaginando
Eu fico imaginando

Virá com ela que entrega
Virá, sim, assim virá que eu vi
Virá ou ela me espera
Virá, pois ela está ali

Ela andou e eu fiquei ali
Ou será que fui eu que dali mudei
Com uns passos mudos
De uma reticência?

Ela me olhou bem
Quem sabe com ela
Eu teria achado
O que sempre me faltava
Cores, colagens, sons, emoção!

Se eu não posso ser
Fico imaginando
Eu fico imaginando

Virá com ela que entrega
Virá, sim, assim virá que eu vi
Virá ou ela me espera
Virá, pois ela está ali

Vamos à andança...

Skank é famoso por letras sempre altamente viajantes. Se você não entende de primeira, vale muito a pena ouvir repetidas vezes até entender ou ao menos refletir um pouco e enquanto isso curtir uma instrumentação excelente. É o caso da menina bonita, Jackie Tequila ou da outra menina, a desaparecida. Outra letra incrível é a da versão do Bob Dylan, de I Want You, rebatizada como Tanto. Todas essas obras de arte falam de amor. Ali também fala, mas de uma forma ainda mais emocionante. Afinal, é do amor à primeira vista. Esse tema já foi abordado aqui em uma canção do Whitesnake, e em outra dos Beatles. Dá pra sentir o peso que é falar de amor à primeira vista? É algo pra poucos. Algo pra gigantes, eu diria. Skank prova-se mais uma vez um gigante, nessa letra incrível, em mais uma colaboração produtiva de Samuel Rosa com Nando Reis. À primeira-escutada é possível achar essa uma canção triste. Eu achava nas primeiras vezes que ouvi. A instrumentação leve engana, antes de entrar a bateria de Haroldo Ferreti. Os violinos muito bonitos, colaboram com a "farsa". O tom de Rosa nos versos é sereno. Ao dizer "Ela me olhou" um clima triste paira no ar, enquanto imaginamos a sequência da história esperando o pior. Começa assim: "Ela entrou e eu estava ali ou será que fui eu que ali entrei, sem sequer pedir a menor licença?". Ao prestar mais atenção na letra, descobrimos o que de fato é o amor à primeira vista. Algo poderoso demais. Algo que faz qualquer um ficar meio abobado. É o que acontece com o narrador, que nem mais sabe o que aconteceu direito. Tudo o que ele sabe - e o que realmente importa é o que inicia o refrão: "Ela me olhou - quem? Quem sabe com ela eu veria as tardes que sempre me faltaram como miragens, como ilusão". Quem sabe? Ao se apaixonar à primeira vista é isso que você pensa, pode acreditar. Mais uma vez o tom de Rosa deixa a dúvida no ar, enquanto tememos que tudo não passe de um ledo engano, dizendo: "Se eu não posso ver eu fico imaginando... Eu fico imaginando..." Mas não vai dar nada errado. Afinal, ele tem certeza. Como diria o sábio-brother Jack Johnson, "O Cupido erra poucas vezes". E então há uma virada maravilhosa na canção, onde a instrumentação acelera e com ajuda de ótimos backing vocals, Rosa canta o segundo refrão: "Virá com ela que entrega. Virá, sim, assim virá que eu vi. Virá ou ela me espera. Virá, pois ela está ali". Destaque pros gritos nos segundos finais, emocionantes. Esse é o amor à primeira vista. O narrador sabe. Ele entende. E nada mais importa ;)

Nunca ouviu?

Entenda agora também. Escute:
(Favor ignorar as imagens, já que o Skank fez o favor de não-autorizar a incorporação do clipe oficial, tsc...)

Um comentário:

Alexandre Iervolino disse...

Mandou bem!

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...