Viaje neste blog

Publicidade

[LADO AB] Um mundo bonito. Pra você.

01/12/2010

Existem diversas formas de fazer uma crítica negativa à algo. Duas das formas mais interessantes e totalmente opostas são mostradas por essas duas bandas. A primeira delas chama-se Devo, formada no final dos anos 70. Era composta por caras um tanto peculiares que faziam um rock ótimo que já flertava com o eletrônico e tinham como combustível para suas canções a sátira ao mundo e à humanidade. A outra banda, formada na década de 90, é Rage Against the Machine que, diferente do Devo tratava unicamente de instigar os ouvintes despertando-lhes o ódio contra a injustiça e ao sistema por meio de gritos, xingamentos e muita revolta - fazendo um belo jus ao "Rage" do nome. Ambas as bandas gravaram essa canção e deram a ela uma cara completamente diferete e altamente viajante. Segue a letra:




Beautiful World
(Mothersbaugh / Casale)

It’s a beautiful world we live in

A sweet romantic place
Beautiful people everywhere
The way they show they care

Makes me want to say
It’s a beautiful world
For you

It’s a wonderful time to be here
It’s nice to be alive
Wonderful people everywhere

The way they comb their hair
Makes me want to say
It’s a wonderful place
For you

Hey
Tell me what I say
Boy ’n’ girl with the new clothes on
You can shake it to me all night long

Hey hey
It’s not for me

Vamos à andança...


Devo foi uma banda à parte no cenário musical. É impossível olhar e não dar risada daqueles caras com cara de nerds, vestidos bizarramente, sobretudo com um chapéu cônico-pixelado mais parecido com algum jogo da era 8-bits. O visual da banda, suas músicas e vídeos, todos remetiam ao ridículo. Todos te faziam pensar: "Esses caras tão tirando uma com a minha cara". E estavam mesmo. Devo era uma banda que fazia crítica. Eram os cartunistas da música que passavam sua mensagem de forma a nos fazer rir da própria situação. Fazendo uma analogia ao Watchmen, eles eram como o Comendiante. O mundo é uma piada, então vamos dar risada. Ainda no universo Watchmen, outro personagem que rouba a cena é Rorschach, um justiceiro solitário, revoltado contido prestes à explodir contra o mundo. Para Rosrschah, o mundo estava infectado com uma doença mortal, mas ele não se renderia de seus ideais nem mesmo no último segundo de sua vida. Rosrschach não ria, não tinha piedade. Rorschach é o Rage Against the Machine. Essa banda, iniciada em medados de 95, usava da maestria de seus integrantes, sobretudo do guitarrista Tom Morello para criar um som pesado, metálico, repetitivo, instigante. Cada música trazia um protesto, principalmente contra o sistema e a favor dos menos afortunados. O vocalista Zach de la Rocha mostrava no gogó seu ódio dando gritos arrepiantes num desesperado chamando à ação. Em 2000 eles lançaram um disco apenas de covers, chamado "Renegades". Todas as influências, claro, eram músicas de crítica, como a já analisada Maggie's Farm, de Bob Dylan. Em meio aos gritos e pancadas furiosas do disco, uma música se destaca pela suavidade dos acordes e a angústia na voz de De la Rocha. É Beautiful World, que diz ironicamente: "É um mundo lindo o que vivemos. Um lugar doce e romântico, pessoas bonitas por todos os lados. O modo como eles se preocupam uns com os outros me faz querer dizer: que mundo bonito. Pra você". A voz do cantor mantem-se inalterada até o fim, algo completamente incomum nas canções do Rage. Confesso que da primeira vez que ouvi fiquei esperando o momento da explosão - da libertação do ódio. Mas ele simplesmente não vem - e ficou perfeito assim. A letra se encarrega da raiva num sussurrante: "for you" ("pra você") e ainda mais na última frase: "não pra mim". Ou seja, esse mundo com pessoas mais preocupadas com o corte de cabelo do que com seus irmãos famintos é bonito mas não serve pro narrador. Talvez sirva pra quem o ouve, mas pra ele não. Ele é Rorschach afinal... Beautiful World é um cover do Devo, que deu um tratamento completamente diferente em sua canção original. Munidos de bateria, baixo, guitarra e sintetizadores, Mark Mothersbaugh canta em seu modo caricato num ritmo alegre e empolgante. A crítica permanece, mas agora é piada, sobretudos nos versos "For you! It's not for me!". Veja o clipe abaixo e tente levar aquilo à sério. Esses são os comediantes que diziam que o homem estava "Devoluindo" e daí o nome da banda. Duas visões muito improtantes e um equilibrio perfeito: versões excelentes de música que mostram reações diferentes pra uma mesma crítica, cabe à nós adotar qual prefrimos - ou curtirmos as duas ;)

Nunca ouviu?

Ouça e veja se o mundo não é mesmo uma beleza...

[LADO A] Escute a cômica versão original de 1981, do Devo:



[LADO B] Escute a tocante versão cover de 2000, do Rage Against the Machine:

Um comentário:

Vando disse...

Fala ai Andarilho, já add seu link, valeu cara sucesso....

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...