Viaje neste blog

Publicidade

Esse será o maior homem vivo

15/10/2010

Agora a "Sala dos Mestres" está completa aqui no blog. Na área do blues, já mostrei algumas coisas dos lendários B.B. King, Buddy Guy e do meu querido John Lee Hooker. Pra completar esse elenco de peso faltava só um nome: Muddy Waters. A razão do atraso em aparecer aqui bem como a viagem causada pelo Mestre segue abaixo. A canção é do disco "Hard Again" de 1977. Segue a letra:





Mannish Boy
(Daniel / Diddley)

Ooooooh, yeah, ooh, yeah

Everythin', everythin', everytin's gonna be alright this mornin'
Ooh yeah, whoaw
Now when I was a young boy, at the age of five
My mother said I was, gonna be the greatest man alive
But now I'm a man, way past 21
Want you to believe me baby,
I had lot's of fun
I'm a man
I spell mmm, aaa child, nnn
That represents man
No B, O child, Y1
That mean mannish boy

I'm a man
I'm a full grown man
I'm a man
I'm a natural born lovers man
I'm a man
I'm a rollin' stone
I'm a man
I'm a hoochie coochie man

Sittin' on the outside, just me and my mate
You know I'm made to move you honey,
come up two hours late
Wasn't that a man
I spell mmm, aaa child, nnn
That represents man
No B, O child, Y
That mean mannish boy
I'm a man
I'm a full grown man
Man
I'm a natural born lovers man
Man
I'm a rolllin' stone
Man-child
I'm a hoochie coochie man

The line I shoot will never miss
When I make love to a woman,
she can't resist
I think I go down,
to old Kansas Stew
I'm gonna bring back my second cousin,
that little Johnny Cocheroo
All you little girls,
sittin'out at that line
I can make love to you woman,
in five minutes time
Ain't that a man
I spell mmm, aaa child, nnn
That represents man
No B, O child, Y1
That mean mannish boy
Man
I'm a full grown man
Man
I'm a natural born lovers man
Man
I'm a rollin' stone
I'm a man-child
I'm a hoochie coochie man
well, well, well, well
hurry, hurry, hurry, hurry
Don't hurt me, don't hurt me child
don't hurt me, don't hurt, don't hurt me child
well, well, well, well

Yeah

Vamos à andança...

Muddy Waters era um artista que eu conhecia apenas de nome até pouco tempo. Ano passado, meu amigo do trabalho, Ênio, me emprestou um DVD de um filme entitulado Cadillac Records. O filme, recomendadíssimo, conta a história de uma das mais importantes gravadoras de blues dos EUA, a Chess Records, que em seu repertório contava com os artistas Muddy Waters, Willie Dixon, Etta James, Chuck Berry, dentre outros. Depois que eu consegui sair do estado de choque, eu tinha então agora na mais alta conta do blues, a Sala dos Mestres, um novo nome e mais uma poltrona: Muddy Waters. Seguindo a Lei do Retorno, emprestei o filme pro meu primo que, igualmente, demorou alguns dias pra recuperar a sanidade após assisti-lo. Assim que conseguiu, ele, agora muito sensatamente, comprou um CD do Waters, esse tal de "Hard Again" que começa com a canção acima. É o suficiente pra fazer qualquer um sentar na cadeira e olhar pro teto, embasbacado. Em meio a viagem, o ouvinte pode fechar os olhos e imaginar aquela época de ouro do blues, quando os caras andavam de Cadillacs, fumavam charutos e jogavam sinuca. O mais legal nessa viagem é que o disco foi gravado em 77, auge do Hard Rock, quando bandas como Led Zeppelin, Pink Floyd, Deep Purple dominavam as rádios e as mentes humanas com suas guitarras distorcidas e solos virtuosos. Em meio à tudo isso, Muddy lança um aparentemente singelo disco com seu estilo já consagrado do Chicago Blues. Logo nota-se que de singelo o álbum não tem é nada, e somos, sem dó, atingidos com pedradas atrás de pedradas, gaitas afinadíssimas, violões inspiradores e muita malandragem na voz do bluseiro. Como diz sabiamente no label do CD que meu primo comprou: "Muddy kicked ass, Hard Again" ("Muddy chutou bundas, forte novamente"). Os primeiros segundos da música apresentam o álbum e Muddy dizendo: "Oh yeah. Tudo. Tudo vai correr muito bem nessa manhã. Oh Yeah". Então eis que surge um riff pesadíssimo composto apenas por guitarra, gaita, baixo e bateria. O riff é tudo isso junto e contrasta com o silêncio. Vem o barulho, destrói, pára. Vem, destrói, pára. Tudo isso encabeçado pela excelente voz de Muddy, descrevendo à si mesmo como o Garoto-Homem que "quando jovem, minha mãe disse: esse vai ser o maior homem vivo". A malandragem de Waters é impagável e casa perfeitamente com frases como: "Sou cheio de diversão", "Fui feito pra mexer com você, garota" e a clássica: "Sou um amante por natureza". Sensacional. Se essa música é uma pedrada, é certamente mais uma das muitas que o Mestre bluseiro já fez ou voltaria a fazer - Hard Always, eu diria ;)

Nunca ouviu?

Toma essa pedrada, forte de novo. Escute:

Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...