Mais um livro do Andarilho

Vamos lá, docinho, dance comigo

15/09/2010

Se perguntarem pra qualquer fã de rock and roll qual o melhor disco do Cult dirão, em sua maioria que é o "Eletric" de 1987. Se perguntarem para fãs de Cult, específicamente, dirão, em sua maioria que é o "Sonic Temple" (1989). Já se perguntarem apenas pra mim, será, em sua mairoia, o "1994". Como eu não gosto de ser exceção à regra, essa vai pros fãs, retirada do disco de 89. Segue a letra:





Sweet Soul Sister
(Astbury)

All the hip young things
Trying to make a scene
Living out forbidden dreams
Star spangled banner
Flutters in the sky
Time hustles those
Who wait to die

Come on little honey
Come on now please
Come on little honey and dance with me

Sweet soul sister
Keep on pushing til the dawn
Sweet soul sister
Forever dancing on and on

She's a Dior girl
Twisting round the world
Midnight crush boogie scene
Firm fixed expression
Sensual, tender, smooth
Sexual panther, beautifully cool

Hustle and strut through Paris at night
Hustle and strut

City of sin
Come and let me in

Vamos à andança...

Os fãs de verdade estão sempre certos. "Sonic Temple" é desgraçado de bom, do ínicio ao fim. É o mais puro rock and roll, com pegada, cheio de riffs bons e letras sem sentido e pitadas de momentos obscuros. Sweet Soul Sister é um desses momentos. A canção começa lenta, alguns segundos de suspense, até começar o riff devastador de Billy Duff. A bateria também surge faminta por pancadas, o que o baterista Mickey Curry faz questão de saciar com paulas ecoantes e violentas. Em particular sou fã de Ian Astbury, e nessa música em especial, seu modo de cantar é ainda mais interessante. Ele mantém um tom sarcástico, além de meio que um humor negro durante os versos. Coisa de inglês. Adoro o humor inglês. Cada refrão é acompanhado por backings inspiradores. Daqueles que dá orgulho dizer: "das antigas". Após o solo absurdo, o momento final com cada "la la la la la" dos backings é do tipo que faria uma multidão de pessoas inconscientemente acompanhar em coro, num show em estádio lotado. Mas falando no refrão esqueci o principal: Astbury elevando um melodioso "Sweeeeeet soul sister, keep on pushing, to the dawn. Sweeeeeet soul sister keep on dancing on and on" ("Irmã de alma doce, continua empurrando até o amanhecer. Irmã de alma doce, continua dançando e dançando"). Muitos ainda não acostumados ao Cult diriam que Astbury é meio fanho. Pois é... Aí que tá: é um meio fanho cantando pra caralho. Um meio fanho te fazendo querer cantar igual ele. Ou pelo menos te instigando subconscientemente a fazer essas vocalizações em coro no final ;)

Nunca ouviu?

Sweeeeeeeeet soooooooooooul listening. Escute:

Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...