Leia também!

Stargazer

22/03/2009

O que acontece quando você pega um dos melhores guitarristas da história do rock e junta com aquele que se tornaria um dos maiores ícones do gênero e, de quebra, coloca alguns músicos bastante bons para completar o time? Rainbow. A banda de Ritchie Blackmore traz o que o hard rock tem de melhor pra oferecer, com letras profundas na lendária voz de Ronnie James Dio. Esse som é do segundo álbum da banda entitulado "Rising" de 1976. Segue a letra:





Stargazer
(Blackmore/Dio)

High noon, oh I'd sell my soul for water
Nine years worth of breakin' my back
There's no sun in the shadow of the wizard
See how he glides, why he's lighter than air?
Oh I see his face!

Where is your star?
Is it far, is it far, is it far?
When do we leave?
I believe, yes, I believe

In the heat and the rain
With whips and chains
To see him fly
So many die

We build a tower of stone
With our flesh and bone
Just to see him fly
But don't know why
Now where do we go?

Hot wind, moving fast across the desert
We feel that our time has arrived
The world spins, while we put his dream together
A tower of stone to take him straight to the sky
Oh I see his face!

Where is your star?
Is it far, is it far, is it far?
When do we leave?
Hey, I believe, I believe

In the heat and the rain
With whips and chains
Just to see him fly
Too many die

We build a tower of stone
With our flesh and bone
To see him fly
But we don't know why
Ooh, now where do we go

All eyes see the figure of the wizard
As he climbs to the top of the world
No sound, as he falls instead of rising
Time standing still, then there's blood on the sand
Oh I see his face!

Where was your star?
Was it far, was it far
When did we leave?
We believed, we believed, we believed

In heat and rain
With the whips and chains
To see him flySo many died

We built a tower of stone
With our flesh and bone
To see him fly
But why

In all the rain
With all the chains
Did so many die
Just to see him fly

Look at my flesh and bone
Now, look, look, look, look,
Look at his tower of stone
I see a rainbow rising
Look there, on the horizon
And I'm coming home, I'm coming home, I'm coming home

Time is standing still
He gave back my will
Ooh ooh ooh ooh
Going home
I'm going home

My eyes are bleeding
And my heart is leaving here
But it's not home
But it's not home
Ooh

Take me back
He gave me back my will
Ooh ooh ooh ooh
Going home
I'm going home

My eyes are bleeding
And my heart is leaving here
But it's not home
But it's not home
Ooh

Take me back, take me back
Back to my home ooh, ooh, ooh

Vamos à andança...

Primeiro preciso agradecer meu amigo Cássio, por me emprestar 2 CDs do Rainbow, iniciando-me, assim, no universo colorido e pesado dessa banda tão boa. Sou suspeito pra falar, confesso. Sou grande fã do Dio e fã maior ainda do Blackmore, respeito bastante também Cozy Powell (bateria) e Don Airey (teclado), sendo apenas Jimmy Bain (baixo) que eu não conhecia até então. Ou seja, eu já gostava da banda antes mesmo de conhece-la. Alías essa formação é considerada uma das mais grandiosas do rock, visto o peso de cada integrante. A música começa já com uma bateria promissora que apresenta o maravilhoso riff de Blackmore que nos acompanhará pelos próximos oito minutos com seus altos e baixos emocionantes. A voz de Dio, incomparável, transmite essa dor, desespero e revolta que a letra pede começando com esse poderoso "Venderia minha alma por água!". Ela fala da escravidão de um grupo de pessoas, do qual o próprio narrador faz parte. Após nove anos de trabalho árduo na construção de uma torre onde muitos morreram "apenas para ver o mago voar" sem saber o motivo. É impressionante a emoção que a música passa, parece que estamos junto aos escravos, carregando pedras, sem saber por quê. Destaque para a esperança do narrador quando diz repetidas vezes que acredita que vai se libertar um dia, e também para o final da música em que Dio vai aumentando o tom das frases de maneira tocante onde parece estar o (triste?) final do personagem. O solo é uma obra de arte também. Óbvio né... É do Blackmore. Letra profunda, pesada, perfeita. Feliz é aquele que, como o narrador, guarda a esperança até o final, mesmo que esse não seje feliz ;)

Nunca ouviu?

Prepare-se para uma odisséia. Escute:
[Versão Extendida com introdução no teclado]

Um comentário:

Cássio disse...

Uma obra prima!
o mais importante nessa musica é o fato de sr uma das primeira musicas na historia do rock e do metal a usar pedal duplo na bateria, cozy powell foi muito feliz na introduçao dessa musica, sem contar o maravilhoso solo do mestre Blackmore.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...